Mais lidas
Política

ATUALIZADA - Pastor ora pelo fim da corrupção na Marcha para Jesus

.

VENCESLAU BORLINA FILHO

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - "Pai, tira a fome e a corrupção. O Deus de paz vai esganar o satanás sob os teus pés", disse o apóstolo Estevam Hernandes, líder da Igreja Renascer em Cristo e idealizador da Marcha para Jesus.

Sua oração abriu a edição de 2017 do evento, que começou pontualmente às 10h desta quinta (15), em São Paulo. Fiéis se ajoelharam no asfalto e também oraram.

A Marcha para Jesus 2017 teve com seis trios elétricos a menos em relação à edição do ano passado.

Nesta 25ª edição, foram oito trios, ante os 14 da edição passada. "A questão é que todos passam pela mesma situação, que é a crise", disse Hernandes, em referência à estrutura de outras igrejas participantes.

O líder religioso não quis dar estimativa de participantes no evento, mas afirmou que a expectativa é atrair mais de 2 milhões de pessoas. No ano passado, a organização informou que 3 milhões de pessoas participaram da marcha.

Após a oração, os seguidores se levantaram e aplaudiram. Uma parte deles usa camiseta na cor verde com a "Jesus, Rei dos Reis".

O governador Geraldo Alckmin cancelou sua participação, que já estava confirmada em sua agenda. A assessoria só informou que ele pediu para desmarcar.

Agentes de trânsito da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) estão à frente da marcha organizando o trânsito. As interdições de ruas e avenidas vão até a 1h desta sexta (16).

A marcha percorreu as avenidas Tiradentes e Santos Dumont, até a praça Heróis da Força Expedicionária Brasileira, em Santana, zona norte da capital paulista.

Os shows na praça estão previstos para acontecerem até as 21h30. O desfile com os trios elétricos encerrou às 14h30.

Participam fiéis da Igreja Renascer em Cristo e de outras igrejas evangélicas. Segundo o apóstolo, foram confirmadas 6.000 mil caravanas de todas as denominações religiosas, inclusive católicos.

CORRUPÇÃO À reportagem, Hernandes, líder da Igreja Renascer em Cristo e fundador da Marcha para Jesus, afirmou que os dias atuais são campo fértil para a destruição humana.

"Eu acho que hoje as pessoas passam por momentos de profunda decepção, em todas as instâncias. Há um profundo desânimo e abatimento sobre as pessoas, o que acaba sendo um campo fértil para a destruição humana, a depressão e o suicídio", disse.

Sobre a corrupção, Hernandes afirmou que, como brasileiros, é o que se vê no país. "É por isso esse clamor, por isso oramos para que a corrupção tenha um fim. Ela [corrupção] destrói o ser humano, tira suas expectativas e seus sonhos", disse. Ele não fez referência a nenhum político.

Há dez anos, Hernandes e sua mulher, a bispa Sônia Hernandes, foram condenados pela Justiça americana por contrabando de dinheiro.

O apóstolo chamou de " trevas interiores" o que se abate sobre a nação e disse que o caminho é Jesus Cristo. "Jesus ilumina o interior das pessoas, combate as trevas interiores. A falta de paz compromete as pessoas", afirmou.

No camarim do trio elétrico –o maior da marcha, com duas carretas unidas–, Hernandes disse que o tema do evento deste ano, #EuAcheiMeuRei, é uma referência bíblica sobre a escolha de Cristo pelo apóstolo João. "Isso significa que o povo pode escolher, mas precisa ter uma direção divina", afirmou.

SHOWS

Anunciada no palco da Marcha para Jesus 2017 como cantora gospel três vezes indicada ao Grammy Latino, Bruna Karla canta seus maiores sucessos. No chão, os versos das canções religiosas são repetidos com força pelos fiéis –a maior parte de olhos fechados e com as mãos estendidas em direção ao alto.

Para os participantes, não há melhor momento que essa época. "Para muitos, isso é loucura, mas para nós é o poder de Deus. É a pura manifestação divina", disse o pastor Carlos Eduardo de Oliveira, 32, da Igreja Comunidade Apostólica Paz, criada há oito meses em Sumaré, no interior de São Paulo.

Mecânico de profissão, mas diácono na Renascer em Cristo, José Edson Batista de Oliveira, 45, disse que a Marcha significa "uma mudança de vida a cada ano". "É um evento profético", disse ele.

Sob os pés no calçado, ele usa uma palmilha de papel dada pela igreja, onde anotou os pedidos a Deus. Na mesma direção do apóstolo Hernandes, que orou pelo fim da corrupção, disse que um dos pedidos foi ter novos políticos criados em Cristo. " A igreja precisa de política", disse.

Junto dele estava a diaconisa Vera de Freitas Cupertino, 44, faturista de profissão. Ela pediu pela saúde de uma tia que está internada há 10 dias na UTI (unidade de terapia intensiva) de um hospital em Santos, no litoral sul paulista.

Ambos pertencem a um ministério da Renascer em Cristo, o CMF (Christhian Metal Force). "É um ministério voltado ao underground. Agrega pessoas do meio é fala de Jesus do jeito que a pessoa é. Em outros lugares, provavelmente a gente discriminado", disse Vera, que vestia roupa toda na cor preta. "É uma marca", afirmou.

Já a dona de casa Luciana Ramalheiro Dias, 40, veio de Campinas, no interior do Estado, com os amigos numa van alugada. "Na presença do Senhor, tudo é bom. A gente tá aqui numa só união, numa só palavra", afirmou.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber