Mais lidas
Política

Marta reclamou de ter campanha mais cara que Gleisi Hoffman, diz Santana

.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em depoimento de seu acordo de delação premiada, o marqueteiro João Santana afirmou que a senadora Marta Suplicy, hoje no PMDB, se queixou de o marqueteiro ter exigido dela um valor maior que o pago pela colega Gleisi Hoffmann (PT-PR) na campanha municipal de 2008.

"Aí a Mônica [Moura, mulher do marqueteiro] disse que tempos depois ela deu uma cobrança firme: 'Como pode, três vezes mais caro?'", relatou.

Segundo o marqueteiro, a campanha de Gleisi à Prefeitura de Curitiba em 2008 custou R$ 6 milhões -dos quais R$ 4,625 milhões pagos por meio de caixa dois. A de Marta, R$ 18 milhões -R$ 10,5 milhões deles pagos por fora.

Segundo Santana, tanto Gleisi quanto Marta tinham "pleno conhecimento" de que essas parcelas seriam pagas por meio de caixa dois.

"Nós temos nos referido a um fundo de caixa dois do PT coordenado pelo ex-ministro Antonio Palocci. Queria frisar que ele também serviu pra pagar as dividas das campanhas da senadora Marta Suplicy e da senadora Gleisi Hoffmann. Nos dois casos com pleno conhecimento das candidatas", diz.

Ele disse que Marta, quando foi convidá-lo para fazer a campanha, levou Palocci "a tira colo" para mostrar que o petista, que controlava a planilha Italiano -com recursos da Odebrecht- ficaria responsável pelos pagamentos.

Santana diz ainda, sem detalhar, que Marta acreditava que o compromisso do PT com sua candidatura vinha de uma "dívida histórica" pelo "apoio financeiro" à campanha de Lula em 2002 que ela havia dado "durante o período que ela era prefeita".

O marqueteiro diz que acertou fazer a campanha de Gleisi também em encontro do qual participou Palocci e o marido da petista, o ex-ministro Paulo Bernardo.

CABIDE DE EMPREGO

Santana também disse que, a pedido de Marta, contratou o marido dela à época, Luis Favre, por R$ 20 mil mensais.

"Nós fizemos um contrato simulado com ele a pedido da senadora", contou.

Ele disse que, certa vez, demonstrou preocupação e foi tranquilizado por Marta: "Não se preocupe. O Favre, pelo currículo internacional, você pode dizer que ele fez consultoria para suas campanhas no exterior", disse a senadora, segundo Santana. "Nunca fez, nunca trabalhou."

Ele disse ter conhecimento também que o mesmo procedimento foi usado na campanha de 2004, quando Marta tentou a reeleição.

OUTRO LADO

Procurada na quinta-feira (11), quando os termos escritos da delação foram divulgados, Marta disse estar "indignada".

"É uma mentira deslavada", respondeu a senadora, em nota enviada à imprensa.

"[É] certamente motivada para envolver o maior número de pessoas com um único objetivo: ter o que barganhar para obter impunidade nos crimes em que são acusados. Jamais participei ou tive conhecimento de negociações ilegais. Minha conduta sempre foi e está baseada nos princípios éticos que norteiam toda a minha vida."

A reportagem ainda não conseguiu contato com a assessoria de Gleisi.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber