Mais lidas
Política

Executivos dizem que reformaram tríplex para Lula a pedido de Pinheiro

.

JOSÉ MARQUES

CURITIBA, PR (FOLHAPRESS) - Executivos da OAS disseram ao juiz Sergio Moro nesta quarta-feira (26) que, a pedido do dono da empreiteira, Léo Pinheiro, reformaram o tríplex em Guarujá (SP) para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Arquiteto da empreiteira, Paulo Gordilho ainda disse que foi com Pinheiro à casa de Lula em São Bernardo do Campo (na Grande São Paulo) para mostrar o projeto de reforma do apartamento e também da cozinha do sítio em Atibaia (SP) a Lula e à ex-primeira-dama Marisa Letícia.

"Ele [Pinheiro] pediu para o motorista me pegar num sábado e nós fomos até São Bernardo do Campo e explicamos os dois projetos -o sítio de Atibaia na realidade não foi nem um projeto, mas eram umas plantas decoradas, que até um leigo saberia ver", afirmou.

"E houve concordância do projeto?", perguntou Moro.

"Eu diria que houve, tanto que foi feito, mas eles não entenderam bem", respondeu Gordilho.

Segundo o arquiteto, desde 2011 "todo mundo na OAS" sabia que o tríplex em Guarujá estava reservado para o ex-presidente.

Ele disse que a planta do apartamento foi mostrada em uma reunião da diretoria, "com caneta laser".

Também foi ouvido por Sergio Moro o presidente da OAS Empreendimentos, Fábio Hori Yanomine, que organizou uma visita de Lula e Marisa ao edifício em Guarujá, em 2014.

Após a visita, o tríplex foi reformado e foi incluído um elevador privativo.

Segundo ele, o custo total da reforma foi de R$ 1,2 milhões, bancados pela empresa.

"Essa foi uma reforma totalmente atípica. Um pedido atípico e único pedido que doutor Léo me fez em relação a qualquer outra unidade", disse Yanomine

Tanto Gordilho quanto Yanomine afirmaram que não tinham informações se o imóvel realmente pertencia a Lula.

Os dois são réus no processo que também acusa o ex-presidente Lula de ter recebido vantagens indevidas da empreiteira OAS. Léo Pinheiro, que também responde à ação, disse a Moro que o apartamento é de Lula.

A defesa do ex-presidente nega que o tríplex seja dele e afirma que a fala de Pinheiro é uma "versão negociada para agradar" procuradores e destravar seu acordo de delação premiada.

Lula irá depor a Moro, em Curitiba, no dia 10 de maio.

OUTRO LADO

O advogado de Lula, Cristiano Zanin Martins, disse em nota que a narrativa de Gordilho "ficou isolada e sem nenhuma evidência após ele reconhecer, em respostas a perguntas da defesa, que não tinha qualquer conhecimento ou atuação na área de vendas da empresa".

"A declaração também destoa não apenas das 73 testemunhas que o antecederam nos depoimentos sobre o caso triplex -entre eles funcionários da companhia-, mas também do que afirmou Fábio Yonamine, ex-presidente da mesma OAS Empreendimentos", afirmou a defesa.

"Subordinado a Léo Pinheiro, Yonamine foi categórico ao dizer que a área financeira da OAS Empreendimentos não tinha conhecimento de reserva de qualquer unidade para o ex-presidente", acrescentou.

O advogado ainda ressaltou que o pedido para a reforma do apartamento e a organização da visita foi feito por Léo Pinheiro.

"Quanto às melhorias feitas no sítio de Atibaia, de propriedade de Fernando Bittar, registra-se que o próprio Gordilho reconheceu ter estado com ele na propriedade e que era Bittar quem sempre tratou com a OAS sobre o imóvel", disse.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber