Mais lidas
Política

ATUALIZADA - Procuradoria vai processar o PP devido à corrupção na Petrobras

.

ESTELITA HASS CARAZZAI

CURITIBA, PR (FOLHAPRESS) - A força-tarefa da Operação Lava Jato irá anunciar em entrevista coletiva nesta quinta (30) que vai entrar com uma ação de improbidade administrativa contra o Partido Progressista, cobrando a devolução de valores desviados na Petrobras pelo partido. É a primeira ação de improbidade administrativa contra um partido envolvido no escândalo do petrolão. Outras agremiações ainda devem ser acionadas na Justiça.

O Ministério Público Federal pede o pagamento de R$ 2,3 bilhões em multas e ressarcimento aos cofres públicos.

Também foi solicitada a perda dos cargos e a suspensão de direitos políticos dos deputados federais Nelson Meurer (PP-PR), Mário Negromonte Júnior (PP-BA), Arthur Lira (PP-AL), José Otávio Germano (PP-RS), Luiz Fernando Faria (PP-MG) e Roberto Britto (PP-BA), e dos ex-deputados Pedro Corrêa (PP-PE), Pedro Henry (PP-MT), João Pizzolatti (PP-SC) e Mário Negromonte (PP-BA), além de João Genu, que foi assessor parlamentar do deputado José Janene. O MPF ainda pediu a perda da aposentadoria especial desses congressistas.

O procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato, afirmou que o Ministério Público não pretende impedir o exercício da atividade político-partidária.

"Essa ação não criminaliza nem obstrui a atividade política, mas sujeita a todos, inclusive poderosos, debaixo da mesma lei", declarou.

O PP indicou o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa -que, segundo o Ministério Público, era encarregado de arrecadar propinas para o partido.

Por isso, a agremiação foi usada, segundo Dallagnol, para a prática de corrupção e desvio de recursos públicos, e deve estar sujeita à lei de improbidade.

"[Processar o partido] não é uma opção. É aquilo que a lei determina", afirmou o procurador. "A atividade partidária é um valor da nossa democracia. Mas a responsabilidade de todos debaixo da lei também é."

MESADAS

Segundo a ação, integrantes da bancada do PP na Câmara receberam propinas mensalmente, entre R$ 30 mil e R$ 300 mil por mês, até março de 2014.

Este seria o caso dos deputados federais Germano, Faria e Britto.

Os desvios, segundo a procuradoria, ocorreram em contratos da diretoria de Abastecimento da Petrobras e por meio de pagamentos da Braskem, empresa do grupo Odebrecht, que teria sido beneficiada por Paulo Roberto Costa na renegociação de um contrato de fornecimento de nafta.

No total, o partido e seus integrantes teria recebido cerca de R$ 460 milhões em vantagens indevidas, entre 2004 e 2014, por meio de mensalinhos, doações eleitorais oficiais e não-oficiais e contas no exterior.

O valor é superior aos repasses do fundo partidário ao PP no período, que foram de R$ 296 milhões.

"Isso provoca um imenso desequilíbrio nas disputas eleitorais e interfere de forma bastante nociva no sistema eleitoral brasileiro", afirmou a procuradora Isabel Groba Vieira.

O bloqueio de valores do fundo partidário, neste momento, está descartado, porque é proibido por lei. Em caso de condenação, porém, o fundo pode ser bloqueado pela Justiça.

OUTRO LADO

Em nota, o PP informou que todas as doações recebidas pelo partido foram legais e declaradas à Justiça eleitoral.

"[O partido] não compactua com condutas ilícitas e confia na Justiça para que os fatos sejam esclarecidos", diz a nota.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber