Mais lidas
Política

Defesa de Dilma quer que TSE ouça depoimentos de Padilha e Yunes

.

CATIA SEABRA

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A defesa da ex-presidente Dilma Rousseff apresentou na noite desta segunda (13) um requerimento ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) para que o ministro Eliseu Padilha seja ouvido no processo sobre a cassação da chapa Dilma-Temer.

Solicita, ainda, o depoimento de José Yunes, ex-assessor e amigo do presidente Michel Temer. E dos presidentes dos nove partidos que compuseram a coligação que garantiu a vitória da chapa em 2014 -entre eles, Rui Falcão (PT), Valdir Raupp (PMDB), Gilberto Kassab (PSD) e Marcos Pereira (PRB).

A defesa de Dilma argumenta que Padilha coordenou a campanha do lado do PMDB e ocupou uma sala no comitê central, em Brasília. Por isso, os advogados querem que ele esclareça se recebeu recursos via caixa 2 para a chapa presidencial.

A mesma dúvida se aplica a Yunes, suspeito de receber dinheiro de caixa 2 em seu escritório, em São Paulo. "Diante de sua reconhecida amizade de 50 anos com Temer, a defesa de Dilma pediu ao relator que o convoque a esclarecer quando recebeu recursos, se foram via caixa 2 e se destinou o dinheiro à chapa Dilma-Temer", afirma a nota publicada no site da ex-presidente.

A defesa de Dilma também pediu que o relator da ação no TSE, o ministro Herman Benjamin, solicite à Procuradoria Geral da República e ao Supremo Tribunal Federal o compartilhamento das delações de executivos e funcionários da Odebrecht ouvidos pelo TSE, mantendo o sigilo dos depoimentos.

"Em caso semelhante, o STF concedeu ao senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) o acesso à delação premiada de Ricardo Pessoa, que o acusou de ter recebido doação para a campanha via caixa 2. Nessa ocasião, o STF assegurou ao atual ministro das Relações Exteriores o pleno exercício do direito à ampla defesa", afirma a nota.

Outra demanda é pelo depoimento do ex-ministro da Fazenda, Guido Mantega, acusado por Marcelo Odebrecht de intermediar o repasse de recursos para a campanha presidencial.

Os advogados também querem que Benjamin reconsidere o veto aos trechos que mencionam o presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), nos depoimentos de Marcelo Odebrecht e Benedito Júnior. E que o ministro ouça outras testemunhas na ação, como Vinícius Claret, suposto doleiro do ex-governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB).

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber