Política

ATUALIZADA - Defesa de Temer quer anular depoimento de Marcelo Odebrecht

.

MARINA DIAS

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A defesa do presidente Michel Temer estuda questionar a legalidade dos depoimentos de delatores da Odebrecht, incluindo o do ex-presidente da empreiteira Marcelo Odebrecht, ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Segundo a reportagem apurou, a depender do teor desses depoimentos, a ideia é argumentar que os ex-executivos da empresa foram chamados a falar ao TSE somente após o vazamento ilegal do conteúdo da delação de Cláudio Melo filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht.

A expectativa é que os delatores confirmem ao TSE a versão de Melo Filho que, em colaboração com a força-tarefa da Lava Jato, disse que, em 2014, durante um jantar no Palácio do Jaburu com a presença de Temer e do hoje ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, ficou acertado o pagamento de R$ 10 milhões para a campanha do PMDB daquele ano. Caso esses executivos apresentem dados novos que possam complicar a situação de Temer, a defesa do presidente pode pedir nulidade dos depoimentos.

Com essa estratégia, auxiliares de Temer pretendem postergar a ação no tribunal que julga abuso de poder econômico da chapa formada pelo peemedebista e pela ex-presidente Dilma Rousseff, o que poderia acarretar na cassação do mandato do presidente.

O discurso no Planalto é que o processo deverá ser julgado apenas em 2018, visto que as provas contra a chapa "são frágeis" e, por isso, ainda serão necessárias medidas como pedidos de novas testemunhas e perícias.

Como revelou a Folha de S.Paulo na semana passada, os advogados de Temer estudam apresentar "contraprovas", como novas oitivas de pessoas mencionadas na ação, para adiar ainda mais o desfecho do julgamento.

Auxiliares de Temer esperam que o processo seja postergado, inclusive, para depois de outubro deste ano, quando se encerra o mandato do relator da ação no TSE, ministro Herman Benjamin, que será substituído por outro ministro.

Além dele, em abril e maio, o presidente poderá indicar dois novos magistrados para o tribunal, quando se encerram os mandatos de Henrique Neves da Silva e Luciana Lóssio, respectivamente.

Caso a ação seja julgada somente em 2018, ao invés de uma eleição indireta para presidente da República, o pleito do ano que vem seria antecipado em alguns meses.

DEPOIMENTOS

Nesta quarta-feira (1º), o ex-presidente e herdeiro do grupo Odebrecht, Marcelo Odebrecht, depôs como testemunha no processo do TSE contra a chapa Dilma-Temer. Ele falou ao ministro Herman Benjamin, e seu depoimento está em sigilo, a pedido da PRG (Procuradoria-Geral da República).

Enquanto o sigilo da delação da Odebrecht no âmbito da Lava Jato não for levantado, o teor do que disse Marcelo à Justiça Eleitoral também não poderá ser revelado.

Além do ex-presidente da empreiteira, falarão ao TSE Benedicto Barbosa da Silva Junior, o BJ, Fernando Reis, Alexandrino Alencar e Claudio Melo Filho.

Como a Folha revelou em dezembro, Marcelo Odebrecht confirmou a versão de Melo Filho em depoimentos a procuradores da Lava Jato sobre o jantar no Jaburu, mas não detalhou a operacionalização do dinheiro que, de acordo com Melo filho, foi feita por Padilha.

Segundo o ex-executivo, o hoje ministro pediu que parte dos recursos fosse entregue no escritório de José Yunes, assessor e amigo de Temer, em São Paulo. Na semana passada, Yunes afirmou em depoimento à PGR que foi um "mula involuntária" de Padilha.

A defesa de Temer nega qualquer irregularidade e diz que a arrecadação de recursos ao PMDB naquele ano foi feita de maneira legal e registradas no TSE. Naquele ano, em que Temer concorreu a vice-presidente na chapá de Dilma, o PMDB recebeu R$ 11,3 milhões da Odebrecht e da Braskem.