Mais lidas
Política

Cunha quis constranger e intimidar Temer com perguntas, diz Moro

.

ESTELITA HASS CARAZZAI

CURITIBA, PR (FOLHAPRESS) - O juiz federal Sergio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato, criticou, em decisão desta sexta (10), a tentativa do ex-deputado Eduardo Cunha de "constranger e intimidar" o presidente Michel Temer (PMDB) para forçá-lo a agir em seu favor.

Segundo ele, houve uma "reprovável de tentativa de intimidação da Presidência da República", que demonstra que o ex-parlamentar "prossegue com o mesmo modus operandi de extorsão, ameaça e intimidações".

Moro fez referência a perguntas encaminhadas por Cunha a Temer, convocado como testemunha de defesa do ex-deputado, no final do ano passado.

O juiz indeferiu parte delas, por entender que não tinham relação com o fato sob julgamento. As questões falavam sobre doações oficiais e em caixa dois, reuniões do peemedebista com fornecedores da Petrobras e a relação com José Yunes, um dos melhores amigos do atual presidente.

"[As perguntas] tinham, em cognição sumária, por motivo óbvio constranger o Exmo. Sr. Presidente da República e provavelmente buscavam com isso provocar alguma espécie intervenção indevida da parte dele em favor do preso", afirmou Moro, na decisão desta sexta (10).

"Não se pode permitir que o processo judicial seja utilizado para essa finalidade, ou seja, para que parte transmita ameaças, recados ou chantagens a autoridades ou a testemunhas", disse o magistrado.

A decisão negou o pedido de liberdade feito pela defesa de Cunha, que argumentava que a ação a que ele responde já chega ao fim e que não havia mais motivos para o peemedebista permanecer preso.

ARTIGO À FOLHA

Moro ainda comentou, no despacho, o artigo que Cunha escreveu à Folha de S.Paulo, em que o acusa de mantê-lo preso "como um troféu" e afirma ser "retaliado" pelo magistrado.

Para o juiz, é preciso "despersonalizar o debate". Moro diz que não tem qualquer questão pessoal contra Cunha, e destaca que um processo "é produto de várias mãos".

"Esclareça-se, desnecessariamente, que a manutenção da preventiva não é 'retaliação' ao acusado, mas mero cumprimento da lei", afirmou.

A defesa de Cunha informou que irá recorrer da decisão no TRF (Tribunal Regional Federal).

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber