Mais lidas
Política

Último foragido da operação que prendeu Eike se entrega

.

ITALO NOGUEIRA

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Ex-subsecretário de Comunicação do Rio, o empresário Francisco de Assis Neto, o Kiko, foi preso na manhã desta sexta-feira (3) ao desembarcar no aeroporto internacional Antônio Carlos Jobim. Ele estava nos Estados Unidos com a família quando foi deflagrada a Operação Eficiência, que teve como um dos alvos o empresário Eike Batista.

Kiko é apontado como mais um operador do esquema do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB). De acordo com planilhas apresentadas pelos doleiros Renato e Marcelo Hasson Chebar em acordo de delação premiada, ele recebeu R$ 7,7 milhões do dinheiro ilegal que mantinham para o peemedebista.

Os repasses ocorreram, todos, entre agosto e outubro de 2014. No período, Kiko cuidava da campanha do deputado federal Marco Antônio Cabral (PMDB-RJ), filho do ex-governador.

De acordo com o relato dos delatores, o dinheiro era entregue na sede de sua empresa, no centro do Rio.

A defesa de Kiko afirma que os colaboradores não comprovaram a entrega. Afirmam que apenas a planilha apresentada pelos irmãos não deveria ser suficiente para a decretação de prisão preventiva.

A assessoria do deputado Marco Antônio Cabral não se manifestou até a publicação desta reportagem.

Kiko estava na difusão vermelha da Interpol. A defesa se comprometeu à Justiça Federal que ele se entregaria nesta sexta, quando conseguiu remarcar sua volta do exterior.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber