Política

Temer recebeu ex-ministro Ayres Britto para reunião fora da agenda

.

A acusação está baseada nas investigações iniciadas com o acordo de delação premiada da JBS. (FOTO - REPRODUÇÃO)
A acusação está baseada nas investigações iniciadas com o acordo de delação premiada da JBS. (FOTO - REPRODUÇÃO)

GUSTAVO URIBE

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Michel Temer se reuniu com o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal Carlos Ayres Britto neste domingo (15), no Palácio do Jaburu.

O encontro, de acordo com auxiliares de Temer, ocorreu para tratar da crise penitenciária.

Temer também busca superar as diferenças com a ministra Carmén Lúcia, presidente do STF, de quem Britto foi colega de corte.

Britto foi cotado para ser ministro da Justiça, antes de Temer decidir pelo nome de Alexandre de Moraes, que hoje passa por um momento de pressão por causa da crise nos presídios.

O encontro do ex-ministro do STF com o presidente não constava na agenda oficial do peemedebista.

O protagonismo de Cármen Lúcia na negociação da dívida do Rio de Janeiro e na crise dos presídios tem criado um desconforto tanto no governo Temer como entre colegas dela do Judiciário.

Assessores de Temer, por exemplo, destacam o perfil centralizador e de gestão executiva que a ministra tem adotado desde que assumiu o comando do Supremo, em setembro passado.

A presidente do STF tem evitado declarações públicas e entrevistas, optando por convocar reuniões com autoridades para tratar de assuntos de grande repercussão.

Recentemente, a ministra concedeu liminares impedindo o bloqueio de R$ 373 milhões das contas do governo do Rio em função de dívidas com o governo federal. A decisão irritou o ministro Henrique Meirelles (Fazenda), que viu no gesto um risco à política de ajuste fiscal.