Política

Militância do PT programa ato para 18 de março em defesa de Lula

.

THAIS ARBEX
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Os movimentos sociais ligados ao PT farão um ato no dia 18 de março em defesa do ex-presidente Lula. O ato estava inicialmente marcado para o fim do mês. O movimento de mulheres também fará uma manifestação no dia 8.
A senadora Gleisi Hoffman afirmou que a militância vai para a rua para defender o ex-presidente e o legado do PT. Questionada sobre possíveis conflitos, ela afirmou que "quem tem que temer conflitos é quem causou tudo isso, a pessoa que coordenou isso é que tem se preocupar muito com a instabilidade política que pode causar a este país", disse ela em referência ao juiz Sérgio Moro.
A senadora também classificou a ação desta sexta como "midiática" para "tentar constranger o ex-presidente Lula".
"Fazer investigações está dentro do Estado de Direito, mas quando as coisas ultrapassam o que é legal, constitucional ai o Estado de Direito está ameaçado. O que nos assistimos hoje não foi contra o Lula, foi contra a democracia", afirmou.
Questionada se a ação desta sexta uniu o PT, a senadora disse que o partido estava, na verdade, "acuado, com medo de fazer o enfrentamento". "Havia muita crítica, muita desconstrução do partido, do próprio Lula". "Acho que agora o PT começa a ver o que está em jogo, que não e uma questão de investigação de corrupção -que precisa ser feita no país, mas precisa ser feita com todos. Não só contra o PT e contra o Lula. É um absurdo achar que o Lula é o grande corruptor deste país, porque ele vai em sítio de um amigo, por causa de um apartamento que ele não tem, de um pedalinho e um barquinho. E os iates, os apartamentos, as mansões que povoam a vida de políticos e grandes empresários. Isso não está em jogo?", disse.