Política

Ex-presidente teve sigilos bancário e fiscal quebrados por ordem de Moro

.

Ex-presidente Lula prestou depoimentos à Polícia Federal por três horas (Foto: Heinrich Aikawa/Instituto Lula)
Ex-presidente Lula prestou depoimentos à Polícia Federal por três horas (Foto: Heinrich Aikawa/Instituto Lula)

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva teve os sigilos bancários e fiscal quebrados por ordem do juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba.

Além de sua empresa de palestras, a LILS, e do Instituto Lula, a quebra de sigilo atinge o ex-presidente como pessoa física, de acordo com investigadores do caso.

A Receita Federal vasculhou dados fiscais do petista dos últimos cinco anos. O objetivo das quebras foi o de cruzar as informações com os indícios de que Lula foi beneficiado ilegalmente por empreiteiras envolvidas no esquema de corrupção da Petrobras.

A investigação de pagamentos revelou, por exemplo, que o Instituto Lula transferiu cerca de R$ 1,1 milhão para as empresas G4 e a Flexbr -empresas pertencentes aos filhos do petista. Para a Procuradoria, os pagamentos não têm razão aparente.

Na entrevista coletiva em Curitiba, o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima se recusou a responder sobre a abrangência da quebra dos sigilos do ex-presidente.

No final de semana, o próprio Lula disse em discurso no ato de comemoração do aniversário do PT que tinha a informação de que teve os sigilos quebrados.

A Polícia Federal abriu inquérito para investigar se houve vazamento de informações relativas à operação.