Mais lidas
Política

Ferraço deixa PMDB por discordar de aliança da sigla com governo Dilma

.

MARIANA HAUBERT
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES) anunciou nesta sexta-feira (15) sua desfiliação do PMDB por discordar do apoio da legenda ao governo da presidente Dilma Rousseff. O senador afirmou, em nota, que apelou reiteradas vezes para que o partido deixasse a aliança liderada pelo PT antes de tomar sua decisão.
"Tenho defendido que o partido abandone o quanto antes essa aliança política responsável pela atual derrocada política, moral e econômica do Brasil, com graves consequências sociais. Ingenuamente, cheguei a acreditar que esse afastamento se daria, mas o que temos visto é a insistência na manutenção da aliança espúria, sem perspectivas de novos rumos", afirmou.
O capixaba não anunciou ainda para qual partido deverá migrar. Na nota, ele afirmou ainda que é preciso buscar uma "união de forças para derrotar de vez esse projeto de poder que tanto mal faz ao nosso país e às futuras gerações". Ferraço já comunicou a sua decisão ao líder do partido no Senado, Eunício OIiveira (CE) e ao ao presidente regional do PMDB no Espírito Santo, deputado federal Lelo Coimbra.
Tido como um senador independente em relação às orientações do governo no Congresso, Ferraço chegou a fazer campanha para a eleição de Aécio Neves (PSDB-MG) à Presidência em 2014. Em diversas votações no Senado ele discordou frontalmente das decisões do governo e agiu com a oposição.
Em junho do ano passado, Ferraço integrou a comitiva de senadores que viajou à Venezuela para reforçar uma campanha pela libertação de políticos opositores ao governo de Nicolás Maduro, que estavam presos no país.
O senador ressaltou, em nota, que sua desfiliação foi decidida apesar de ter uma boa convivência com o governador do Espírito Santo, Paulo Hartung, e com outras lideranças peemedebistas locais e de outros Estados.
"Deixo bons amigos e companheiros no PMDB capixaba, com os quais tenho grande apreço e pretendo continuar tendo as mesmas respeitosas relações. A postura digna da legenda no estado se compara a das representações no Rio Grande do Sul, de Pedro Simon, em Pernambuco, de Jarbas Vasconcelos, e em Santa Catarina, do saudoso Luiz Henrique da Silveira, entre outras. A independência e a coragem foram e são as suas marcas", disse.
Simon e Vasconcelos também são tidos como peemedebistas independentes.
Ao final da nota, Ferraço insta Hartung a seguir o mesmo caminho. "Ao expor essa minha convicção, desejo sinceramente que o governador Hartung possa refletir sobre ela e tomar igual decisão de deixar o PMDB", diz.
Ferraço foi eleito senador em 2011. Ele já foi filiado também ao PSDB, PTB e PPS.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber