Facebook Img Logo
Mais lidas
Política

PF pede ao STF mais prazo para investigar Renan na Lava Jato

.

MÁRCIO FALCÃO
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A Polícia Federal enviou ao STF (Supremo Tribunal Federal) um novo pedido de prorrogação do inquérito que investiga a suposta participação do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), com o esquema de corrupção da Petrobras.
Renan começou a ser investigado em março pelo Supremo na Lava Jato e esse é o quarto pedido de extensão das investigações envolvendo o peemedebista. Agora, a concessão de mais tempo será analisado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e pelo relator da Lava Jato, Teori Zavascki.
Renan foi citado por delatores do escândalo de corrupção como integrante do "núcleo político" de uma quadrilha formada para desviar recursos da estatal e um dos beneficiados com pagamento de propina.
Ao lado de outros peemedebistas, dizem delatores, o senador teria dado sustentação política para o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, considerado um dos principais personagens da engenharia criminosa.
Paulo Roberto relatou que o deputado federal Aníbal Gomes (PMDB-CE) era o interlocutor de Renan com o esquema e recebia a propina. O deputado também é alvo do inquérito de Renan.
A Polícia Federal identificou que Gomes foi o político com maior número de visitas, 46 agendas, com Paulo Roberto.
Sem alarde, Renan prestou depoimento na Superintendência da PF em Brasília, em agosto. Aos investigadores, o senador disse não ter relação próxima e negou conhecer os principais personagens do esquema de corrupção na Petrobras.
Admitiu, porém, que o ex-diretor Paulo Roberto Costa esteve em um almoço em sua residência particular, levado por Aníbal Gomes, mas diz que na ocasião o PMDB negou dar-lhe apoio para assumir uma outra diretoria da estatal.
O lobista Fernando Baiano, considerado operador do PMDB no esquema, também afirmou aos investigadores que o presidente do Senado também foi beneficiado por desvios em contratos de navios-sonda.
Renan nega as acusações de envolvimento na Lava Jato e diz que jamais autorizou quem quer que seja a falar em seu nome.
No início das investigações, o presidente do Senado fez coro com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e acusou Janot de agir politicamente para definir os investigados. O senador, no entanto, acabou abandonando o embate com o procurador-geral e também os ataques ao governo Dilma. Nos bastidores, Cunha e aliados políticos dizem que houve um acordão para preservar o senador nas investigações -o que o procurador nega com veemência.
Além de Renan e Gomes, o pedido de mais prazo da PF foi estendido aos senadores Humberto Costa (PT-PE), Lindbergh Faria (PT-RJ), além dos deputados José Mentor (PT-SP) e Eduardo da Fonte (PP-PE).
O STF investiga mais de 59 políticos por suposta ligação com os desvios da Petrobras.
Até agora, Janot apresentou denúncia contra o presidente da Câmara, o ex-presidente e senador Fernando Collor de Mello (PMDB-RJ), além de pessoas ligadas aos dois congressistas, o deputado Arthur Lira (PP-AL), o senador Benedito de Lira (PP-AL) e o deputado Nelson Meurer (PP-PR) por crimes como corrupção e lavagem de dinheiro.
O procurador também pediu ao STF e foi determinado o arquivamento do inquérito sobre o senador Antonio Anastasia (PSDB-MG).




O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Política

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber