Facebook Img Logo
Mais lidas
Política

Deputados de 6 partidos pedem que Cunha seja cassado

.

RANIER BRAGON
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Na tarde desta quarta-feira (7), 29 deputados federais de seis partidos políticos protocolaram na Corregedoria da Câmara representação pedindo a abertura de processo de cassação contra o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).
Assinam o documento 16 petistas, cinco deputados do PSOL, três da Rede, dois do PSB, um do PPS e um do PMDB de Cunha -o ex-governador de Pernambuco Jarbas Vasconcelos. Também assina a representação o deputado Cabo Daciolo, que era do PSOL e hoje está sem partido.
Cunha foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República sob acusação de envolvimento no esquema de corrupção da Petrobras. Recentemente veio a público a informação de que o Ministério Público da Suíça identificou contas secretas naquele país de responsabilidade de Cunha e de familiares, o que vem minando seu apoio político.
O presidente da Câmara ainda tem o apoio dos principais partidos e da oposição, mas isso tende a mudar caso venha a tona documentos mostrando ligação sua com contas no exterior. Em depoimento à CPI da Petrobras, em março, ele negou ter contas fora do país.
"Impressiona o mutismo da grande maioria das lideranças partidárias", disse o deputado Chico Alencar (PSOL-RJ) durante o ato.
O próprio grupo de deputados -que representa apenas 5,7% do total de cadeiras da Casa- reconhece que acionar a Corregedoria é apenas um passo inicial, com efeito possivelmente mais simbólico do que prático.
Isso porque cabe à Corregedoria encaminhar a representação para que a Mesa da Câmara decida o que fazer. A Mesa é presidida por Cunha e composta por seus aliados.
No ato desta quarta, os deputados demonstraram surpresa com a informação do corregedor, o deputado Carlos Manato (SD-ES), de que Cunha nunca deu sequência a representações feitas no primeiro semestre pelo PSOL contra investigados na operação Lava Jato.
Essa informação, porém, havia sido revelada pela Folha de S.Paulo em reportagem publicada no início de julho.
TRAMITAÇÃO
Recebida a representação, cabe à Mesa decidir se arquiva ou determina ao corregedor a abertura de investigação. Manato, que integra partido aliado de Cunha, disse que irá avaliar se sugere ou não a Cunha que se declare impedido na análise da representação.
"Eles sabem que da minha parte eu não tenho poder de abrir nada sem aval da Mesa. Mas não vou ser omisso, vou despachar para Mesa. Lá [na Corregedoria] não tem gaveta", disse Manato.
Mesmo que seja autorizado a investigar o caso, o corregedor tem poder de apenas elaborar um parecer para a própria Mesa. Ela decide se arquiva esse parecer ou o encaminha ao Conselho de Ética da Casa.
É no Conselho, também controlado por aliados de Cunha, que pode haver a aprovação da cassação do mandato. Mas o peemedebista só é cassado, porém, caso o plenário da Câmara referende a decisão por pelo menos 257 dos seus 513 integrantes.
A intenção dos deputados que ingressaram com a representação nesta quarta é pedir abertura do processo diretamente no Conselho de Ética caso fique evidenciado que a Mesa não irá dar autorização para a investigação na Corregedoria.
Assinam a representação os deputados Arnaldo Jordy (PPS-PA), Chico Alencar (PSOL-RJ), Edmilson Rodrigues (PSOL-PA), Glauber Braga (PSOL-RJ), Ivan Valente (PSOL-SP), Jean Wyllys (PSOL-RJ), Alessandro Molon (Rede-RJ), Eliziane Gama (Rede-MA), Aliel Machado (Rede-PR), Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE), Júlio Delgado (PSB-MG), Henrique Fontana (PT-RS), Wadih Damous (PT-RJ), Érika Kokay (PT-DF), Padre João (PT-MG), Assis do Couto (PT-PR), Moema Gramacho (PT-BA), Luiz Couto (PT-PB), Margarida Salomão (PT-MG), Helde Salomão (PT-ES), João Daniel (PT-SE), Paulão (PT-AL), Adelmo Carneiro Leão (PT-MG), Raimundo Angelim (PT-AC), Maria do Rosário (PT-RS), Marcon (PT-RS) e Leonardo Monteiro (PT-MG).




O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Política

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber