Facebook Img Logo
Mais lidas
Política

Prefeitos vão a Brasília pressionar governo por recursos para saúde

.

CATIA SEABRA
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A direção da Frente Nacional de Prefeitos estará nesta terça-feira (1) em Brasília para cobrar do governo federal uma alternativa de financiamento para a saúde dos municípios. Após o recuo da presidente Dilma Rousseff -que desistiu de levar ao Congresso proposta de reedição da CPMF-, prefeitos se reunirão com o ministro da Saúde, Arthur Chioro, atrás de fontes de recursos.
Presidente da Frente Nacional de Prefeitos e Prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda (PSB) afirma que a entidade não se manifestará formalmente sobre a CPMF, já que o debate está encerrado. Mas defenderá a necessidade de verbas para o setor.
Em Belo Horizonte, diz, foram suspensas cirurgias eletivas (não caracterizadas como urgentes) para pacientes de outros municípios. E o hospital metropolitano recém construído não entrou em operação por falta de recursos.
"Não temos propostas. Queremos saber o que o ministro acha. Estamos com a água em cima do nariz e o país precisa voltar a crescer", afirma Lacerda.
O prefeito de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho (PT), criticou os opositores da volta da CPMF. Segundo ele, "essa discussão não está sendo levada a sério". Sem citar os políticos que se manifestaram contra a busca de recursos para o setor, Marinho afirmou que "alguns podem falar por oportunismo contra a eventualidade desse debate" e disse que o momento requer responsabilidade.
"Vamos ter que fazer um debate sério. A presidenta [Dilma Rousseff] vai [propõe a CPMF]. Leva um cacete de todo mundo. Então, está bom. Vamos discutir concretamente", reagiu Marinho, depois de uma reunião no Instituto Lula.
E acrescentou: "Não como pensar num orçamento do jeito que está sendo pensado. Temos que encontrar fórmula. Não é cortando meia dúzia que vai resolver a questão".
Segundo Marinho, Dilma teve uma atitude positiva ao sugerir um debate. "Se fez de forma equivocada, desajeitada, aí podemos olhar. Mas é preciso discutir".
Um dos principais interlocutores do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Marinho disse ainda que a situação exige sacrifícios. Ao falar sobre a importância desse esforço, citou como exemplos o cargo de vice-presidente e os empresários. O vice-presidente Michel Temer é hoje um dos mais fervoroso críticos da CPMF e do orçamento a ser proposto pelo Governo.
"A sociedade brasileira -prefeitos, vereadores, deputados, senadores, presidente da República, vice-presidente, empresários, enfim, todo mundo- tem que olhar o seguinte: há um problema sério na economia brasileira que momentaneamente precisa de sacrifícios", disse.
No dia 11, a diretoria da Frente Nacional de Prefeitos divulgou uma carta segundo a qual o brasileiro vê "com perplexidade a deterioração do ambiente político e econômico".
"O povo está demonstrando a sua insatisfação com a realidade do país. Saudamos e respeitamos as manifestações de rua pelo que representam de radicalização da democracia e chamado dos líderes à ação em busca de soluções. Não dedicar a esse momento o necessário cuidado pode implicar o retrocesso nos avanços conquistados com muito esforço pelo povo brasileiro", encerra o documento.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Política

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber