Mais lidas
Política

Governo informa ao STF que vetará reajuste salarial ao Judiciário

.

MÁRCIO FALCÃO
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O Ministério do Planejamento informou nesta terça-feira (21) ao STF (Supremo Tribunal Federal) que a presidente Dilma Rousseff decidiu vetar a proposta de reajuste do Judiciário. A informação foi repassada pelo ministério para a Diretoria-Geral do tribunal.
A medida já era esperada pela cúpula do Supremo, uma vez que houve indicações da equipe econômica e da própria presidente de que não há condições financeiras para arcar com o aumento. O veto da presidente deve ser publicado nesta quarta (22) no Diário Oficial da União -o prazo final para a análise do projeto terminou hoje.
Em junho, o Senado aprovou reajuste de até 78% nos salários dos servidores do Judiciário, escalonado em quatro anos, a partir de 2015. A medida, segundo o governo, tem impacto previsto de R$ 25,7 bilhões e vai na contramão das medidas do ajuste fiscal diante das turbulências na economia do país.
A proposta da equipe econômica prevê aumento de 21,3% dividido em três anos, a partir de 2016. O ministro teria esclarecido que esse percentual também está sendo negociado para os servidores do Executivo.
O governo defende que o STF aceite um aumento escalonado de 21,3%, nos próximos quatro anos. A proposta não agrada aos servidores, que alegam defasagem salarial -o último plano de cargos e salários foi aprovado em 2006.
A expectativa no STF é de que uma nova rodada de negociações comece após a publicação do veto. Oficialmente, o Supremo informou que vai aguardar a apreciação do veto da presidente pelo Congresso.
Interlocutores do presidente do STF, Ricardo Lewandowski, no entanto, avaliam que há dificuldades para derrotar o veto na Câmara e no Senado.
Ao longo de todo o dia, servidores do Judiciário se instalaram na Praça dos Três Poderes, em frente ao Palácio do Planalto, com vuvuzelas e carros de som em protesto contra o veto.




×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber