Mais lidas
Política

Ministro manda investigar reclamação apresentada por advogados contra PF

.

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, determinou nesta terça-feira (21) ao diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello, que investigue reclamação da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) que apontou que a advogada da Odebrecht, Dora Cavalcanti, foi impedida de acompanhar depoimento do presidente da empreiteira, Marcelo Odebrecht.
A determinação atende a um pedido da OAB, que enviou uma "solicitação de providências" ao ministério e à PGR (Procuradoria-Geral da República) pedindo investigação sobre o fato.
O empresário foi convocado a depor sobre um bilhete, entregue à sua defesa no dia de sua prisão, no qual ele pedia: "destruir email sondas".
Segundo a Polícia Federal, a advogada não poderia participar do depoimento porque, como integrante da defesa do empresário, era a destinatária da mensagem.
A Procuradoria Nacional de Defesa das Prerrogativas, órgão da OAB, manifestou objeção ao episódio e ressaltou que não cabe às autoridades policiais ou judiciais impor restrição ao direito do empresário de escolher seu defensor.
O Ministério da Justiça divulgou nota sobre a abertura do "procedimento investigatório".
"Em todos os casos em que houver denúncias de possíveis irregularidades, cabe ao ministro da Justiça, zelando pela legalidade e o Estado Democrático de Direito, determinar a apuração do ocorrido. Assim fiz e continuarei procedendo", diz, na nota, o ministro.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber