Facebook Img Logo
Mais lidas
Política

Cunha aceita fazer acareação, mas cobra o mesmo de Dilma e Mercadante

.

ANDRÉIA SADI, RANIER BRAGON E LUCAS VETTORAZZO
BRASÍLIA, DF, E RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse nesta segunda-feira (20) que aceita ficar cara a cara na CPI da Petrobras com o delator da Lava Jato Julio Camargo. Mas defende que sejam aprovadas acareações de Dilma Rousseff e de ministros do governo.
Para Cunha, Dilma faria acareação com o doleiro Alberto Youssef. E os ministros Aloizio Mercadante (Casa Civil) e Edinho Silva (Comunicação Social) fariam com o dono da UTC, Ricardo Pessoa. "Vamos aprovar todas e fazemos sem problema", afirmou.
O peemedebista adotou como estratégia, desde sexta (17), atacar o governo para se defender da acusação do lobista Julio Camargo, segundo quem Cunha foi destinatário de US$ 5 milhões em propina.
Camargo inicialmente não citou Cunha em sua delação. Mas, após ser informado por que corria o risco de ter seu acordo de delação anulado por omitir informações, confirmou a versão de Youssef.
Cunha nega as acusações e atribui a uma operação do governo junto à Procuradoria-Geral da República a mudança no depoimento. Ele anunciou na sexta o seu rompimento formal com o Planalto.
O pedido de acareação de Cunha com Julio Camargo foi feito pelo PPS.
"É oportunista de alguns querer falar de uma acareação comigo", disse Cunha. "Estou disposto a fazê-la a qualquer tempo. Agora também aproveitem e convoquem todos que estão em contradição. O ministro Mercadante e o ministro Edinho negam aquilo que foi colocado pelo Ricardo Pessoa. A própria presidente nega o que foi colocado pelo Yousseff. Que se faça acareação de todos."
Ricardo Pessoa, em sua delação, disse ter pago caixa dois para a campanha de Mercadante em 2010. Sobre Edinho, disse que o então tesoureiro da campanha de Dilma o pressionou a doar para o comitê da petista para continuar a ter obras no governo.
Youssef afirmou em sua delação que a presidente Dilma sabia da corrupção na Petrobras, origem das investigações da Operação Lava Jato.
A aliados, Cunha usa o mesmo argumento em resposta aos que defendem seu afastamento da presidência da Câmara: o de que seus críticos também deveriam pedir o afastamento de Dilma, de Mercadante e de Edinho.
Em conversas com integrantes da oposição, Cunha tem manifestado ainda a intenção de excluir o PT do comando das duas CPIs antigoverno que devem começas em agosto, quando o Congresso volta do recesso: a do BNDES e a dos Fundos de Pensão.
A intenção de Cunha é emplacar deputados de seu círculo próximo na relatoria ou na presidência de cada uma dessas CPIs. Os outros dois postos caberiam à oposição.
O desenho é mais uma demonstração da intenção de Cunha de retaliar o governo. Na instalação da CPI da Petrobras, quando ainda não estava rompido abertamente com o Planalto, ele não se opôs a que o PT ficasse com a relatoria da comissão.
Desde que perdeu a presidência da Câmara para Cunha em fevereiro, o partido de Dilma não tem conseguido barrar as articulações políticas do peemedebista.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas de Política

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber