Facebook Img Logo
Mais lidas
Política

México realiza eleições em meio a protestos e violência

.

O México vai às urnas neste domingo (7) para renovar a Câmara de Deputados e outros cargos locais depois de uma semana de violentos protestos e ameaças de um movimento de professores radicais, que busca boicotar as eleições nos empobrecidos estados do sul.

O governo do presidente Enrique Peña Nieto mobilizou neste fim de semana soldados e policiais federais para que patrulhassem o país por terra, ar e mar, e assim garantir a normalidade nas eleições do México. No entanto, os incidentes de violência não foram evitados. 

Os pais dos 43 alunos desaparecidos da Escola Normal de Ayotzinapa iniciaram o boicote contra as eleições locais e federais, com a queima de material eleitoral no município de Tixtla, no sul do México. Um grupo se reuniu bem cedo para visitar cada um dos colégios eleitorais e pedir aos funcionários que lhes entregassem as urnas onde os cidadãos deveriam depositar seu voto para escolher governador, prefeito, deputados locais e federais.

Ao menos 10 pessoas morreram no sábado em Guerrero (sul) durante um ataque armado lançado em Xolapa por um grupo de policiais comunitários contra uma facção rival, um incidente sangrento que as autoridades atribuíram a uma disputa territorial, e não às eleições.

A mobilização das forças federais foi decidida devido aos protestos diários organizados nos últimos dias por professores de uma ala dissidente de seu sindicato, que queimaram milhares de cédulas e saquearam sedes de vários partidos políticos no sul do país.


A operação de segurança se focou em Oaxaca, onde os docentes provocaram inclusive uma escassez de gasolina depois de bloquear um centro de distribuição da petroleira estatal Pemex. As forças federais tiveram que se encarregar do reabastecimento de combustível. "Os mexicanos querem e têm o direito de votar em paz, e o governo da República exercerá suas atribuições e tomará todas as ações necessárias, dentro do âmbito da lei, para garantir isso", declarou o porta-voz da presidência, Eduardo Sánchez. A Coordenadoria de Trabalhadores da Educação (CNTE), facção dissidente do sindicato nacional ao qual os professores pertencem, exige a revogação da reforma educacional do governo de Peña Nieto, acusada por eles de privá-los de direitos trabalhistas. Alguns professores também protestam pela conivência que existe com frequência entre narcotraficantes e policiais.




O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Política

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber