Mais lidas
Política

Petistas anunciam voto contra ajuste e criticam governo em manifesto

.

GABRIELA GUERREIRO E EDUARDO CUCULO
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Com a participação de dois senadores do PT, onze congressistas divulgaram manifesto nesta quarta-feira (20) para anunciar que vão votar contra as duas medidas provisórias do ajuste fiscal que tramitam no Senado Federal.
Os senadores prometem derrubar a MP que muda regras do abono salarial e no seguro-desemprego, além de aprovar outra medida com mudanças no chamado fator previdenciário.
As duas MPs reúnem as medidas de ajuste fiscal elaboradas pela equipe econômica do governo. A MP 665, que será analisada nesta quarta pelo Senado, traz como principal medida o aumento do tempo de trabalho para que a pessoa requeira pela primeira vez o seguro-desemprego: de seis para 12 meses. O governo queria originalmente 18 meses, mas foi obrigado a recuar.
A MP também endurece a regra para concessão do abono salarial. Até então, a exigência do tempo mínimo trabalhado para ter acesso ao benefício era de um mês. O governo queria ampliar para seis, mas o Congresso reduziu para três.
"Vários senadores que assinam o manifesto apoiaram a campanha da presidente Dilma Rousseff. Para esse governo dar certo, tem que mudar o rumo da política econômica. Não há nenhuma medida que taxe os mais ricos. É o ajuste que está sendo feito é em cima dos trabalhadores", atacou o senador Lindbergh Farias (PT-RJ).
Lindbergh e Paulo Paim (PT-RS) assinam o manifesto e vão votar contra a MP 665. Apesar de serem do partido de Dilma, os dois fizeram duros ataques à equipe econômica e ao ministro Joaquim Levy (Fazenda). O PT tem como bandeira histórica a defesa de direitos dos trabalhadores e a defesa do fim do fator previdenciário.
"Não estamos contra a presidente Dilma, mas contra a política econômica do governo que vai na contramão de tudo o que sempre defendemos", disse Paim.
Também assinam o manifesto senadores de partidos aliados da presidente como o PMDB, PDT, PRB, PSD. O PSB, que se declarou "independente", aderiu ao protesto.
APOIO
O manifesto ainda tem o apoio de entidades da sociedade civil e petistas históricos, como o MST (Movimento dos Sem-Terra), CUT (Central Única dos Trabalhadores) e personalidades como ex-ministros do governo Lula, Samuel Pinheiro Guimarães e José Gomes Temporão, além do ex-governador do Rio Grande do Sul Tarso Genro (PT).
No texto, o grupo exalta feitos de governos do PT nos últimos anos, mas afirma que o governo parece "encurralado e não demonstra capacidade de ampliar o horizonte político".
"O desequilíbrio fiscal das contas do governo não é responsabilidade dos mais pobres, trabalhadores, aposentados e pensionistas. As causas desse desequilíbrio foram a desoneração fiscal de mais de R$ 100 bilhões concedida pelo governo às grandes empresas, as elevadas taxas de juros e a queda de arrecadação devido ao baixo crescimento no ano passado", diz o manifesto.
O governo teme sair derrotado na votação das duas MPs no Senado. O presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), disse que a primeira medida provisória do ajuste, a 665, pode sofrer impactos com a ameaça da presidente Dilma de vetar as mudanças no fator previdenciário, caso sejam mantidas pelos senadores.
"Esse processo de formação das maiorias é muito complicado no Brasil. A gente nunca sabe direito o que é que vai acontecer. Tem que aguardar", afirmou Renan.




×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber