Facebook Img Logo
  1. Banner
Mais lidas
Política

Peemedebista distribui nota contra Fachin a senadores; Cardozo rebate

.

GABRIELA GUERREIRO E RANIER BRAGON
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Uma nota técnica da consultoria do Senado, distribuída pelo senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES), acusa o advogado Luiz Edson Fachin de ter exercido ilegalmente a advocacia no Paraná na época em que era procurador do Estado.
Fachin foi indicado pela presidente Dilma Rousseff para o Supremo Tribunal Federal e será sabatinado na próxima semana pelo Senado.
Na nota, o consultor do Senado João Trindade Cavalcante Filho afirma que Fachin violou o "ordenamento legal" porque a Constituição paranaense vedava que procuradores exerçam advocacia privada. "Quando da posse do procurador, tanto a Constituição Estadual quanto a lei complementar nº 51, de 1990, proibiam inequivocamente o exercício da advocacia fora das atribuições institucionais", diz a nota.
A reportagem apurou que o documento foi feito a pedido de Ferraço. Há resistências à indicação de Fachin no PMDB, partido do senador e do presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL) -que estaria articulando a derrota do advogado em retaliação a Dilma por ter sido incluído entre os políticos investigados pelo STF na Operação Lava Jato.
Qualquer parlamentar pode pedir pareceres técnicos à consultoria do Senado. É praxe que o consultor elabore a nota fundamentando juridicamente a posição solicitada pelo parlamentar.
O documento foi distribuído para integrantes da Comissão de Constituição e Justiça, responsáveis pela sabatina a Fachin.
DEFESA
Relator da indicação, o senador Álvaro Dias (PSDB-PR) disse que pretende solicitar à consultoria outra nota, em defesa do advogado. Favorável à indicação de Fachin, Dias distribuiu três notas elaboradas pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) do Paraná, pela Associação dos Procuradores do Estado do Paraná e pelo gabinete do próprio senador defendendo a conduta do advogado.
A associação afirma que o exercício da advocacia conjuntamente com o cargo na Procuradoria foi legal, uma vez que a legislação federal do país não veda a prática -apenas em casos em que o Estado for réu.
Já a OAB do Paraná argumenta que a Constituição do Estado, antes de ser reformada em 1999, não vedava a advocacia privada para procuradores do Estado. Além disso, diz que autorizou a prática a Fachin com a ressalva apenas de que não participasse de casos contrários ao Estado.
O senador disse que a legislação não impedia a prática da advocacia por Fachin, por isso não há motivos para os senadores rejeitarem sua indicação com base nesse argumento. "Ele advogou autorizado pela OAB, que carimbou sua carteira impedindo apenas a advocacia contra o próprio Estado", afirmou o tucano.
CARDOZO
O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, afirmou que Fachin se cercou de todos os cuidados no caso específico e disse acreditar que ele será aprovado pelo Senado.
"Ele já tinha me informado sobre essa situação, que ele prestará esclarecimentos com tranquilidade na sabatina", afirmou Cardozo, acrescentando que Fachin lhe disse que o edital do concurso permitia o exercício da advocacia e que, mesmo assim, houve aval da da Procuradoria do Paraná.
"Pode haver uma discussão jurídica, mas as cautelas tomadas pelo professor Fachin e por todos os concursados naquele período mostram que não existe uma situação que absolutamente o desabone em nada."
Segundo Cardozo, não há dúvida de que o Senado dará aval à indicação. "Não creio sinceramente que um homem da envergadura do professor Fachin, com o currículo que tem, com o apoio que tem de toda a comunidade jurídica, vá ser rejeitado."

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Edhucca

Últimas de Política

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber