Facebook Img Logo
Mais lidas
Política

Investigação de Tião e Pezão no STJ pode durar até seis meses

.

MÁRCIO FALCÃO
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - As investigações no STJ (Superior Tribunal de Justiça) contra os governadores Luiz Fernando Pezão (Rio de Janeiro) e Tião Viana (Acre) por suposta participação no esquema de corrupção da Petrobras podem durar até seis meses.
A previsão é da vice-procuradora-geral da República, Ela Wiecko, que coordena as apurações sobre os governadores. Nos próximos dias, o Ministério Público pedirá novas diligências no caso.
O Ministério Público Federal solicitou, em março, abertura de inquérito sobre Pezão e Tião.
Os dois se manifestaram junto ao STJ no final do mês passado. Eles desmentem as acusações do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa e pedem o arquivamento dos inquéritos.
"Eu acho que mais de seis meses é demais. Nesse horizonte haverá uma manifestação de mérito: arquiva ou denuncia", disse Ela Wiecko.
A vice-procuradora-geral avalia se ainda pedirá depoimentos presenciais dos governadores, uma vez que eles apresentaram defesa escrita.
"Eles [governadores] podem ser ouvidos, mas inicialmente a manifestação por escrito foi o primeiro passo. Isso não dispensa a possibilidade de pedir oitiva pessoal mais para frente."
Questionada sobre a necessidade de as assembleias estaduais terem que autorizar a abertura de eventual ação penal contra governadores, Ela Wiecko disse que é "prejudicial", mas lembrou que este é o entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF).
"O Ministério Público, a instituição, considera prejudicial [a autorização]. Mas, infelizmente, temos que trabalhar com essa realidade. [...] O Supremo deixou claro que não há impedimento nenhum para investigação e nem para prisão, embora essa seja uma possibilidade remota."
Em depoimento, Paulo Roberto Costa disse que trabalhou para o "caixa dois" da campanha do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB) ao governo do Rio em 2010, articulando uma doação de R$ 30 milhões. Pezão era candidato a vice na chapa.
Sobre Tião Viana, o ex-diretor da Petrobras disse que o petista recebeu R$ 300 mil em 2010, quando disputou o governo do Acre, por intermédio do doleiro Alberto Youssef.
Pezão sustenta que nunca participou de reunião em que Cabral tenha pedido qualquer ajuda de campanha e que a acusação não faz sentido, já que, em 2010, ele e Cabral brigavam com a Petrobras pela ameaça de mudança no modelo de partilha dos royalties do petróleo, o que prejudicaria o Estado.
Viana disse não ter autorizado ninguém a pedir doação para sua campanha. "Principalmente aos senhores Paulo Roberto Costa e Alberto Youssef", afirma.




O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Política

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber