Facebook Img Logo
  1. Edhucca Banner
Mais lidas
Política

Ativistas defendem papel dos movimentos sociais na defesa da democracia

.

O papel dos movimentos sociais para a garantia do direito democrático de organização popular no país foi a tônica de um dos debates de hoje (12) na Jornada pela Democracia: Debates, Ideias, Contraponto, evento autointitulado pluripartidário e de esquerda, no qual uma maratona de debates ocorre desde cedo e que tem o objetivo de discutir a conjuntura da política atual.

No debate “Movimentos Sociais, Novo Ativismo e Juventude”, Gabriel Gonçalves, do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), registrou que “os movimentos sociais são fruto das sementes que foram plantadas desde os anos 60 [período do golpe militar]. Uma das nossas grandes tarefas, dos movimentos sociais, é garantir esse processo democrático de organização popular, é conseguir fazer com que se tenha uma sociedade civil organizada que consiga lutar pelos seus direitos”. Gabriel ressaltou a importância da participação social como catalizadora do processo democrático.

“A democracia é construída pelo povo. São os movimentos, é a população, é a classe trabalhadora que, todo dia, no seu cotidiano, acorda e faz gerar a riqueza desse país. Hoje estamos em um processo de garantia e construção de direitos, processo que se faz pela luta. Os movimentos sociais são uma das maneiras em que você vai ter uma sociedade civil organizada para essa luta”. Sônia Coelho, da Marcha Mundial das Mulheres, apontou como fundamental a unidade dos movimentos para lidar com as questões que se interpõem na conjuntura política. “A Marcha Mundial das Mulheres e o movimento feminista, há algum tempo, têm construído esse processo de aliança, que achamos fundamental. Participamos nesse processo do plebiscito por uma constituinte exclusiva e soberana, por reforma política, que se desencadeou, desde o ano passado, e que é uma resposta fundamental nesse momento que nós estamos vivendo.” A ativista defendeu que o momento é o de apoiar a democracia. “Acho que temos que olhar esse momento que estamos vivendo, em que a democracia é questionada. O movimento de mulheres e o movimento feminista, há séculos, têm lutado exatamente para ampliar a democracia”, disse Sônia.

O deputado estadual de São Paulo Adriano Diogo, que também participou da mesa de debate, defendeu que são os movimentos populares e sociais que vão conseguir “unir tanto direita como esquerda para a construção” da reforma política, hoje necessária, na sua opinião, como “uma nova reorganização político-partidária que realmente represente os sentimentos do povo brasileiro”. “A somatória dos movimentos sociais, como foi no fim da ditadura, essa costura é que vai gerar um novo momento político-partidário no país. E, por meio dele, vamos poder construir uma democracia e uma paz que governe o país e o povo brasileiro”, concluiu. Os debates vão até as 21h e abordarão, dentre outros temas, a economia, as cidades, o conservadorismo na atual conjuntura, a importância da comunicação e o futuro da esquerda. Editor Lana Cristina

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Edhucca

Últimas de Política

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber