Mais lidas
Política

Ministro deixa Secom após crítica a comunicação do governo vir à tona

.

SÃO PAULO, SP - Pouco mais de uma semana após um documento interno produzido pela Secom (Secretaria de Comunicação Social) com críticas à comunicação do governo e admitindo o uso de "robôs" para disseminar conteúdo favorável ao Planalto nas redes sociais, o ministro Thomas Traumann deixou a pasta.
O governo confirmou a saída em nota divulgada nesta quarta (25).
Questionado, ainda não especificou quem comanda a pasta até que um novo nome seja escolhido. O secretário-executivo da secretaria é Roberto Messias.
Segundo a nota, Dilma "aceitou" a demissão de Traumann. "A presidente agradece a competência, dedicação e lealdade de Traumann no período como ministro e porta-voz", diz o texto.
A saída dele já era esperada. O documento, de responsabilidade de Traumann, critica o modo como o governo Dilma Roussef tem gerido sua crise, citando a existência de um "caos político".
A descoberta do documento, divulgado no dia 17 pelo jornal "O Estado de S. Paulo", gerou críticas da oposição e um convite para que ele explicasse à Comissão de Ciência e Tecnologia do Senado detalhes do material. Traumann estava de férias desde quando o material veio à tona.
ANÁLISE
A análise da Secom aborda estratégias da campanha à reeleição da presidente Dilma Rousseff e admite o uso de "robôs" para disseminar conteúdo favorável ao governo nas redes sociais.
O documento diz que os "eleitores de Dilma e Lula estão acomodados brigando com o celular na mão, enquanto a oposição bate panela, distribui mensagens pelo Whatsapp e veste camisa verde-amarela". Em seguida, afirma que "dá para recuperar as redes, mas é preciso, antes, recuperar as ruas".
Parte do trabalho de análise de conjuntura feito semanalmente pela Secom para a presidente da República, o documento é dividido em três tópicos: onde estamos, como chegamos até aqui e como virar o jogo?
Depois das críticas à comunicação do governo e à atuação do PT em defesa do governo, o documento anota em seu terceiro capítulo que "não será fácil virar o jogo", mas aponta que "a entrevista presidencial deste dia 16 foi um excelente início", avaliando que Dilma Rousseff falou "com firmeza sobre sue compromisso com a democracia", explicou de "forma fácil a necessidade do ajuste fiscal" e assumiu "falhas como a da condução do Fies".
Segundo o texto, a "presidente deu um rumo novo na comunicação do governo", mas "não pode parar".

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber