Facebook Img Logo
Mais lidas
Política

Procuradoria acusa Cerveró de ocultar da Justiça passaporte espanhol

.

Foto: arquivo
Foto: arquivo

BRASÍLIA, DF - O Ministério Público Federal acusa o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró de ter omitido da Justiça o fato de possuir um passaporte espanhol, em ofício anexado nesta sexta (16) ao inquérito que resultou na prisão preventiva dele, na última quarta (14). 

O passaporte facilitaria a fuga do país, já que é difícil conseguir que países estrangeiros extraditem para o Brasil cidadãos que tenham a nacionalidade desses países. 

A defesa de Cerveró, porém, rebate dizendo que ele ainda não havia sido informado pela Justiça de que estava sendo processado ou investigado e que, na quinta (15), já havia informado possuir cidadania espanhola, ao entrar com habeas corpus pedindo a soltura do ex-diretor. 

O Ministério Público Federal apresentou a informação como um adendo à prisão preventiva de Cerveró, com o intuito de reforçar a sua necessidade. Segundo os procuradores, o passaporte foi emitido pelo consulado da Espanha no Rio de Janeiro em junho de 2012 e tem validade até junho de 2022. 

"Cumpre informar que em momento algum o investigado informou a dupla cidadania espanhola, ou seja, omitiu tais informações da Justiça certamente para se beneficiar de tal situação. A ocultação dolosa do passaporte é um indicativo, portanto, de que Nestor planeja utilizar sua cidadania espanhola como meio para escapar de qualquer punição", diz a peça, assinada pelos procuradores Carlos Fernando dos Santos Lima e Orlando Martello. 

A Procuradoria até cita o caso do ex-diretor do Banco do Brasil Henrique Pizzolatto, que conseguiu fugir do Brasil mesmo após sua condenação no mensalão por ter um passaporte italiano, afirmando que "nem mesmo a apreensão completa de passaportes serviu para garantir que se sujeitaria à Justiça brasileira". 


OUTRO LADO 

Quando foi preso, Cerveró estava voltando de uma viagem à Inglaterra. 

Em depoimento à Polícia Federal, ele afirmou que "a sua viagem internacional teve o intuito de visitar parentes da sua esposa na Inglaterra e que para tanto utilizou o seu passaporte brasileiro, tendo comunicado a viagem à Polícia Federal e ao Ministério Público Federal". 

Sua defesa afirma que, se ele tivesse a intenção de fugir, não teria voltado do exterior em alguma das viagens que fez. 

"Ele só foi citado pela Justiça anteontem para responder à ação. Como estava viajando, marcamos com a oficial de Justiça para que fosse à casa dele hoje [16] citá-lo. Se ele quisesse fugir, não teríamos marcado horário para isso", afirmou o advogado Edson Ribeiro. 

O advogado também afirma que Cerveró já havia enviado ofícios ao Ministério Público Federal e à Polícia Federal informando estar à disposição para ser ouvido e nunca foi chamado. 

Cerveró só foi ouvido nesta semana, após ser preso. A defesa anexou ao habeas corpus ofícios de março do ano passado encaminhados ao diretor-geral da PF, Leandro Daiello, e ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot.




O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Política

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber