Facebook Img Logo
  1. Banner
Mais lidas
Política

​Defesa de diretores da OAS contesta gravações telefônicas da Lava Jato

.

Presos detidos na operação Lava-Jato são conduzidos por policiais federais Foto: Michel Filho / Agência O Globo
Presos detidos na operação Lava-Jato são conduzidos por policiais federais Foto: Michel Filho / Agência O Globo

A defesa de seis réus da Operação Lava Jato, ligados à empreiteira OAS, entrou com uma petição na Justiça Federal do Paraná, nesta terça-feira (6), contestando as gravações de conversas telefônicas e por mensagens de texto obtidas pela Polícia Federal durante a investigação do caso.

Para os advogados, não está clara nos autos do processo a forma como as gravações foram obtidas.

Segundo a defesa, há uma série de incongruências na forma como o material foi apresentado à Justiça. Isso, alegam os advogados, dificulta o trabalho deles para efetuar perícias particulares nas provas produzidas pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal (MPF). Entre os pontos citados pelos advogados está a ausência dos formulários enviados à empresa Research in Motion, dona da marca de smartphones Blackberry, com os quais boa parte dos acusados trocavam mensagens de texto por um serviço exclusivo da companhia.

A defesa quer saber quem enviou as ordens, com o objetivo de identificar quais pessoas tiveram acesso às quebras de sigilo telefônico dos acusados. Os advogados também pedem à Justiça que as operadoras de telefonia que liberaram o acesso ao sigilo telefônico dos presos informem quais policiais abriram os registros e ainda se eles respeitaram os limites das ordens judiciais que autorizaram as quebras.

A defesa alega também que há possibilidade de os policiais terem demorado mais do que o necessário para a obtenção de provas que envolvem o nome do deputado Luis Argôlo, com o objetivo de não prejudicar a jurisdição da Justiça Federal do Paraná, que está julgando o caso. Por ser parlamentar, o deputado possui prerrogativa de foro e só pode ser julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Da mesma forma, processos que o citem devem ser encaminhados para a Suprema Corte, tal como ocorreu com os acordos de delação premiada do doleiro Alberto Youssef e do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa. Os questionamentos da defesa ainda devem ser analisados pela Justiça Federal. As primeiras audiências relativas à sétima fase da Operação Lava Jato estão marcadas para o mês de fevereiro.

Confira matéria completa AQUI

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Edhucca

Últimas de Política

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber