Política

Em visita à usina de Mauá, Richa destaca oferta de energia como diferencial do PR

Da Redação ·
 Em visita à usina de Mauá, Richa destaca oferta de energia como diferencial do PR
fonte: Divulgação
Em visita à usina de Mauá, Richa destaca oferta de energia como diferencial do PR

O governador Beto Richa visitou nesta sexta-feira (29) o canteiro de obras da Usina Hidrelétrica de Mauá, que está sendo construída no rio Tibagi, entre Telêmaco Borba e Ortigueira. A potência instalada total da hidrelétrica será de 361 MW, energia suficiente para atender a cerca de 1 milhão de pessoas. O governador destacou a importância dos investimentos em energia no momento em que o Paraná retoma o esforço de atração e fortalecimento de empresas, por meio do programa Paraná Competitivo. “O Paraná está investindo em um grande programa de atração de novas indústrias, que precisam ter a sua demanda por energia integralmente atendida”, disse Richa. O governador disse que as estatais paranaenses terão um papel importante no processo de modernização da infraestrutura, essencial para o desenvolvimento do Estado.

continua após publicidade

Richa visitou o canteiro de obras acompanhado do presidente da Copel, Lindolfo Zimmer, e do presidente da Eletrosul, Eurides Mescoloto. “É uma obra que utiliza tecnologia avançada, que imprime maior velocidade na construção. Além dos avanços na geração de energia, a usina traz emprego e desenvolvimento à região”, avaliou o governador.

continua após publicidade

O presidente da Eletrosul disse que a construção da usina, a maior em andamento no Paraná, é importante para o desenvolvimento do Paraná e do Brasil: “Vivemos uma fase de intenso crescimento em todo o País. Mas não há crescimento possível sem energia. Interligada ao sistema de distribuição nacional, a energia produzida em Mauá vai contribuir para o desenvolvimento, com as devidas compensações ao meio ambiente”, afirmou Mescoloto.

continua após publicidade

O presidente da Copel, Lindolfo Zimmer, informou que mais de 90% da obra já foi concluída e que já em maio será iniciado o enchimento da barragem. A previsão é de que os equipamentos estejam funcionando até o final do ano.

A usina está sendo construída em conjunto com a Eletrosul Centrais Elétricas, por meio do Consórcio Energético Cruzeiro do Sul. “Esta é uma obra projetada e realizada por empresas paranaenses com mão de obra daqui, que tem batido recordes na produção de concreto. Em funcionamento, terá a capacidade para abastecer uma cidade do porte de Londrina”, explicou o empresário Joel Malucelli, um dos empreiteiros da obra. O valor total da obra é de mais de R$ 1 bilhão.

continua após publicidade

BARRAGEM – O governador Beto Richa visitou o canteiro de obras, onde o lançamento de concreto compactado com rolo (CCR) na barragem foi concluído em março, com um volume de mais de 630 mil metros cúbicos apenas no maciço.

continua após publicidade

Também foi concluída a instrumentação da barragem, com a instalação dos equipamentos de monitoramento necessários para a segurança da estrutura antes, durante e depois do enchimento do reservatório.

No vertedouro, estão sendo montados os equipamentos eletromecânicos, como as comportas segmentos e a centrais que as operam. No circuito de geração (tomada d'água de baixa pressão, túnel de adução, câmara de carga e condutos forçados) os trabalhos civis estão concluídos. Na casa de força principal, quase todo o concreto a ser utilizado já foi lançado, e o conjunto das três unidades geradoras está em fase adiantada de montagem.

A barragem da hidrelétrica está sendo construída no rio Tibagi, entre os municípios paranaenses de Telemaco e Ortigueira, localizada na região do Salto, porção média do rio Tibagi. A casa de força ficará na margem direita do Tibagi, no município de Telêmaco Borba, perto à foz do Ribeirão das Antas, no local conhecido como Poço Preto.