Política

Raúl Castro propõe limitar mandatos a 'dois períodos de cinco anos

Da Redação ·
O presidente Raul Castro acena com chapéu durante a parada militar em Havana
fonte: AP
O presidente Raul Castro acena com chapéu durante a parada militar em Havana

O presidente de Cuba, Raúl Castro, propôs  limitar os mandatos para cargos públicos a "dois períodos de cinco anos", durante a abertura do VI Congresso do Partido Comunista. Ele também destacou a importância de se trabalhar no rejuvenescimento dos postos administrativos e partidários do país.

continua após publicidade


"Chegamos à conclusão de que é recomendado limitar ao máximo de dois períodos consecutivos de cinco anos o desempenho de cargos políticos e estatais fundamentais, isso é possível e necessário nas atuais circunstâncias", afirmou Raúl Castro perante os mil delegados do Congresso.


O governante, a quem seu irmão Fidel cedeu o poder em julho de 2006, quando ficou doente, fez sua proposta em um duro discurso de autocrítica sobre a direção da ilha comunista, governada durante 52 anos pelos irmãos Castro.
"Embora não tenhamos deixado de fazer várias tentativas para promover jovens a cargos principais, a vida demonstrou que as seleções não foram sempre as mais adequadas", disse o presidente, que completará 80 anos em junho.

continua após publicidade

Rejuvenescimento'
"Hoje enfrentamos as consequências de não contar com uma reserva de substitutos devidademente preparados, com experiência suficiente, maturidade, para assumir as novas e complexas tarefas de direção no partido, no Estado e no governo", disse.


Raúl Castro advertiu sobre a necessidade de garantir "o rejuvenescimento sistemático de toda a rede de cargos administrativos e do partido", desde a base até as posições de grande responsabilidade, incluindo a de presidente e de primeiro-secretário do PCC.


No entanto explicou que é uma questão que se deve ser solucionada "paulatinamente, ao longo dos cinco anos, sem precipitações nem improvisações, mas deve começar logo após a conclusão do Congresso".

continua após publicidade


"O reforço sistemático da nossa institucionalização será, ao mesmo tempo, condição e garantia imprescindível para que esta política de renovação dos quadros jamais ponha em risco a continuidade do socialismo em Cuba", acrescentou.
A geração histórica, liderada pelos irmãos e que ocupa os principais cargos fundamentais, tem mais de 75 anos.


O Congresso deve eleger os órgãos dirigentes do PCC - o Comitê Central, de cerca de 125 membros; o Comitê Político (19), e o Secretariado (10), - liderados por Fidel como primeiro-secretário e Raúl como segundo-secretário desde a criação do partido, em 1965.


"É fundamental deixar de lado a formalidade e a fanfarra, ou seja, banir a inércia fundamentada em dogmas e palavras de ordem", afirmou. "Só assim o Partido Comunista poderá estar em condições de ser para todos os tempos digno da autoridade ilimitada do povo e da revolução e em seu único Comandante-em-Chefe, cuja contribuição moral é indiscutível", acrescentou.

continua após publicidade


Raúl Castro expressou que seu irmão, "em sua condição de soldado das ideias, não parou de contribuir para a causa revolucionária e a defesa da humanidade".


Desfile militar


O Congresso, que se reúne em sessão fechada até terça-feira, foi inaugurado no Palácio das Convenções após um desfile militar popular que levou mais de meio milhão de pessoas à emblemática Praça da Revolução, em Havana, para comemorar os 50 anos do socialismo cubano.


Usando seu uniforme de general e um chapéu de camponês, Raúl Castro, acompanhado por figuras de proa do PCC e do governo, liderou o ato na Praça da Revolução, o qual participaram os mil delegados do congresso e milhares de operários, combatentes veteranos, crianças e jovens.