Política

Pais denunciam na Câmara suposto abuso na lista de material em Apucarana

Da Redação ·
A lista de material que está sendo exigida em uma das escolas de Apucarana; no verso, a propaganda de uma livraria
fonte: Divulgação
A lista de material que está sendo exigida em uma das escolas de Apucarana; no verso, a propaganda de uma livraria

Pais de alunos procuraram nesta semana a Câmara de Vereadores de Apucarana para denunciar abuso na forma como está sendo encaminhada a lista de material escolar na rede municipal de ensino. O grupo, que foi recebido pelo presidente do Legislativo, Alcides Ramos Júnior (DEM), e por outros vereadores, alega um custo elevado para a extensa relação de material que está sendo exigida já na primeira semana de aula. Exemplo estaria ocorrendo na Escola Municipal Professor Bento Fernandes Dias, na Vila Nova onde a lista de material para o segundo ano estaria revoltando pais de alunos.

continua após publicidade

“Eles estão pedindo oito cadernos brochurão, vários outros tipos de caderno, 500 folhas de papel sulfite, tesoura, espelho e até toalha com o nome do aluno, totalizando 30 itens. É muita despesa e muita coisa para se arcar de uma vez”, queixa-se a mãe de uma aluna, que preferiu não ser identificada. Os pais citam as 500 folhas de sulfite como exemplo do que consideram abusivo. Para eles, bastava cada aluno levar algumas folhas, renovando cada vez que houver necessidade.

continua após publicidade

“Em muitos municípios, as prefeituras ajudam entregando o kit escolar. Em Apucarana, a ajuda que nós estamos recebendo é uma lista com 30 itens, maior até que de algumas escolas particulares”, acrescenta o pai de um aluno, que diz ter ficado desempregado no início do ano.

continua após publicidade

MINISTÉRIO PÚBLICO

Também chamou a atenção dos vereadores o fato de a lista que está sendo distribuída na Bento Fernandes ter, no verso, a propaganda de uma livraria. “Está claro que a intenção é induzir os pais a comprar o material em alguns estabelecimentos, prejudicando a livre concorrência e promovendo um privilégio que não se justifica. Nós vamos levar o caso ao conhecimento do Ministério Público”, afirma Alcides Ramos Júnior.

continua após publicidade

Ele diz ter entrado em contato com professores de alguns estabelecimentos, que estariam, voluntariamente, auxiliando alguns alunos de menor poder aquisitivo. “Também nos informamos junto a diretoras que o repasse do Fundo Rotativo continua atrasado,  aumentando o quadro de dificuldades que atinge as escolas de Apucarana. É um lado da Cidade Educação que não aparece na propaganda e que todos precisam conhecer”, frisa Alcides,salientando que também vai oficiar sobre o assunto a Secretaria de Desenvolvimento Humano, que cuida da educação no município.