Política

Alckmin: não conclui equipe porque ajudei Serra

Da Redação ·

O governador eleito de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), admitiu nesta sexta-feira (17) que ainda não escolheu os 26 secretários que vão ajudá-lo a governar São Paulo a partir do ano que vem. Alckmin justificou o “atraso” porque precisou dedicar muito tempo à campanha do correligionário derrotado à Presidência, José Serra, no segundo turno das eleições deste ano.

continua após publicidade

Depois de apresentar o currículo e três novos secretários, anunciados previamente em seu Twitter, ele disse por quê ainda falta escolher os nomes para as 11 últimas pastas.

continua após publicidade

- Se não todo, grande parte do secretariado [será anunciado na semana que vem]. Eu fiquei muito dedicado no segundo turno à campanha do Serra. Eu nem pensei em secretários. Só depois que encerrou o segundo turno é que nos dedicamos a escolher.

continua após publicidade

Ele brincou ao dizer que o governador eleito de Minas Gerais, Antonio Anastasia, admitiu que até agora “não indicou nenhum secretário”.

As declarações foram feitas ao lado dos três novos escolhidos: o deputado Silvio Torres, seu colega de partido a aliado próximo, foi indicado para a pasta da Habitação. A Educação, hoje sob o comando do ex-ministro Paulo Renato Souza, passará para as mãos de Herman Voorwald, que é reitor da Unesp (Universidade Estadual Paulista).

continua após publicidade

A Secretaria da Justiça será chefiada pela procuradora Eloisa de Sousa Arruda. Também hoje, mais cedo, Alckmin foi diplomado governador na Assembleia Legislativa de São Paulo.

continua após publicidade

Questionado, Alckmin minimizou as críticas do atual secretário de Educação, Paulo Renato, ao novo ocupante da pasta:

- O que vamos fazer é dar continuidade aos bons programas do Estado. É uma corrida de revezamento. Outro vai dando continuidade.

Na quinta-feira (16), também no Twitter, o tucano confirmou as permanências de Antonio Ferreira Pinto na Secretaria de Segurança Pública e de Lourival Gomes na Administração Penitenciária.

Antes, outros nomes já haviam sido anunciados: Andrea Calabi (Fazenda), Emanuel Fernandes (Planejamento), Elival da Silva Ramos (Procuradoria-Geral do Estado), Sidney Beraldo (Casa Civil), Guilherme Afif Domingos (Desenvolvimento), Saulo de Castro Abreu Filho (Transportes), Jurandir Fernandes (Transportes Metropolitanos), Linamara Rizzo Battistella (Direitos da Pessoa com Deficiência), Admir Gervásio (Casa Militar e Defesa Civil) e Giovanni Guido Cerri (Saúde).