Política

MP vai apurar doação de terreno para a Unifrango

Da Redação ·
 O empresário Domingos Martins disse na Câmara de Vereadores que a empresa comprou o direito de comodato
fonte: Divulgação
O empresário Domingos Martins disse na Câmara de Vereadores que a empresa comprou o direito de comodato

O Ministério Público anunciou na quinta-feira (16) que vai levantar todo o processo de doação de terreno para o Grupo Unifrango no município de Apucarana. O anúncio foi feito pelo promotor Eduardo Cabrini, logo após reunião com o empresário Domingos Martins e outros representantes da Unifrango na Câmara de Apucarana.

continua após publicidade

“Haverá agora o recesso de final de ano, mas no meu retorno vamos fazer um amplo  levantamento para apurar se a doação foi legal e se foi cumprido tudo o que está na lei”, anunciou o promotor. “Se não foi, vou propor uma Ação Civil Pública para reverter a doação dos terrenos e para que o município seja devidamente indenizado”, acrescentou Cabrini.

continua após publicidade


Durante a reunião, convocada por iniciativa do vereador Aldivino Marques, o “Val” (PSC), Domingos Martins afirmou, de forma clara, que a Unifrango não vai construir um abatedouro de aves nos quase 15 alqueires que recebeu da Prefeitura de Apucarana na saída para Califórnia.

continua após publicidade


De acordo com o empresário, será construído apenas um Centro de Distribuição, gerando 120 empregos. “A empresa nunca disse que ali seria construído um abatedouro, até porque a legislação não permite esse tipo de obra naquele local. A empresa também nunca disse que os
investimentos nesse terreno gerariam 2 mil empregos”, acrescentou Domingos Martins.

OUTRA DOAÇÃO
Segundo o empresário, para a construção de um abatedouro de aves seria necessário que o Município doasse outro terreno, de aproximadamente 20 alqueires. Cabrini e vários vereadores mostraram-se contrariados com a explicação do empresário.  “O que foi passado para a cidade, seja pela empresa, seja pela administração municipal, é que a obra geraria 2 mil empregos. Acho que isso é indiscutível e é só perguntar para qualquer pessoa na cidade”, afirmou o promotor.

continua após publicidade

O vereador Val citou nota distribuída pela própria Unifrango, quando da assinatura do protocolo de intenções entre Prefeitura e a empresa, em março de 2007, dizendo que no local seria feito um investimento de R$ 40 milhões e em duas etapas. “A primeira fase prevê a aplicação de R$ 10 milhões na construção de um centro de distribuição, que contará com armazéns frigorificados com capacidade de 25 mil toneladas e um terminal ferroviário para movimentação de mercadorias. Nesta fase, serão criados 120 empregos diretos. A expectativa é que a implantação esteja concluída no primeiro trimestre de 2008”, dizia a nota, reproduzida
em vários jornais e sites do agronegócio. A nota prosseguia afirmando: “A segunda etapa terá
como objeto a construção de um abatedouro de frangos de corte e vai receber R$ 30 milhões em investimentos, viabilizando a criação de 1,8 mil postos de trabalho diretos”.

continua após publicidade

Domingos Martins admitiu que a nota esteve no site da Unifrango, à época, mas disse que a assessoria de imprensa do grupo deve ter feito “a transcrição de algum noticiário”. Os vereadores questionaram se, para construir apenas um Centro de Distribuição, a Unifrango precisa de toda a área recebida. O empresário disse que sim, porque trata-se de “um dos maiores centros de armazenagem de frigorificados do Sul do País”.

continua após publicidade

Quanto a outro terreno, com cerca de 20 mil metros quadrados na área central da cidade, também destinado pela Prefeitura à Unifrango, Domingos Martins disse que a empresa comprou o direito de comodato, que pertencia a um grupo de Cambé. De acordo com o empresário, a Unifrango mantém a disposição de construir no local uma processadora do chamado premix, uma mistura de vitaminas e sais minerais em fórmula nutricional.

Por fim, o empresário queixou-se de que, embora o município já tenha investido mais de R$ 1 milhão em terraplenagem no terreno localizado na saída para Califórnia, ainda faltariam várias melhorias  revistas na lei de doação, como a correta destinação das águas pluviais. Martins apresentou um cronograma de obras que prevê a conclusão do Centro de Distribuição em agosto de 2011.

continua após publicidade


Para vereadores, população foi enganada

Para vários vereadores, a população de Apucarana foi enganada com o anúncio de um investimento de R$ 40 milhões e a geração de 2 mil empregos em Apucarana através da Unifrango. “É preciso ficar bem claro que a doação de quase 15 alqueires e o investimento de R$ 1 milhão em melhorias, bem como todo o barulho feito em torno desse projeto, foi para gerar apenas 120 empregos. Precisamos apurar o que o município pode ganhar em termos de arrecadação. Se for só pela geração de emprego, tenho certeza de que os vereadores  everteriam essa doação de terreno agora”, afirmou Aldivino Marques, o “Val”.


“Realmente essa história ainda não está bem explicada. Toda a cidade espera que esta obra,
prometida desde 2007, venha e gere 2 mil empregos”, afirma José Airton Araújo, o “Deco”
(PR). Júnior Serea, representando o Observatório Social, confirmou que a transcrição dos
documentos legislativos da época atestam a geração de 2 mil empregos. Marcos Martins (PTC)
questionou a direção da Unifrango sobre quantos empregos gerará a processadora de premix,
caso venha a ser instalada. “Outros 120, mais ou menos”, respondeu o empresário.


O vereador Valdir Frias (PTB), representante da Vila Reis, comunidade que fica ao lado
do terreno doado, afirmou que os moradores esperam a solução do caso, pois aguardam os
empregos prometidos. Também estiveram presentes o secretário municipal de Indústria e
Comércio, Ivo Martins, os vereadores Alcides Ramos Júnior (DEM), Júnior da Femac (PDT),
Lucimar Scarpelini (PP), o presidente da Câmara, Mauro Bertoli (PTB), Luiz Brentan (PSDB),
Carmelo Ribeiro (PR) e Telma Reis (PMDB).