Política

Vereador propõe comissão para investigar dívida na prefeitura

Da Redação ·
 Alcides Ramos Júnior afirma que prefeitura precisa abrir 'caixa-preta' das finanças
fonte: Arquivo TN
Alcides Ramos Júnior afirma que prefeitura precisa abrir 'caixa-preta' das finanças

A revelação de mais uma dívida estimada em R$ 16 milhões com a Construfert, que estava sendo omitida pela Prefeitura de Apucarana, provocou ontem forte reação entre vereadores do município. Após reunião na Câmara, Alcides Ramos Júnior (DEM) apresentou, com apoio de vários colegas da Casa, requerimento à Presidência do Legislativo propondo a criação de uma Comissão Especial de Inquérito (CEI) para investigar as finanças do município. O objetivo é levantar o endividamento real da Prefeitura. Com base em informações do Banco Central, da Secretaria do Tesouro Nacional e da própria administração, o valor aproximado da dívida está hoje em torno de R$ 217 milhões em Apucarana (ver quadro abaixo). O prefeito João Carlos de Oliveira (PMDB), no entanto, admite um endividamento de R$ 67,3 milhões.

continua após publicidade


O requerimento apresentado ontem por Alcides Ramos será votado na sessão ordinária da próxima segunda-feira. O vereador afirma que a prefeitura precisa abrir a “caixa-preta” com as informações da situação financeira do município. “A cada dia aparece uma dívida nova e, na Câmara, não temos os dados reais das finanças da prefeitura”, afirma o vereador, acrescentando que o Legislativo não pode ser “pego de surpresa” com dívidas que não são esclarecidas.


Alcides diz ainda que o objetivo da comissão é obter junto ao Executivo o detalhamento das finanças municipais, buscando obter todos os dados sobre o endividamento, inclusive convocando ex-prefeitos para prestar esclarecimentos. Alcides afirma que sua iniciativa tem apoio de vários vereadores, entre eles Marcos Antônio Martins, o Marquinho (PTC), José Aírton de Araújo, o Deco (PR), Júnior da Femac (PDT), Mauro Bertoli (PTB), Lucimar Scarpelini (PP) e Aldivino Marques da Cruz Neto, o Val (PSC). “O regimento interno prevê que o requerimento propondo a criação de uma CEI deve ser assinado por apenas um vereador, mas outros colegas se manifestaram imediatamente favoráveis à ideia”, assinala Alcides.

continua após publicidade


Ontem, a Tribuna revelou uma dívida de R$ 16 milhões que não estava sendo admitida pelo município. O valor é referente a duas ações judiciais da Construfert, contratada pelo ex-prefeito Valter Pegorer (PMDB) em 1995 para a prestação do serviço de coleta de lixo na cidade. A empresa de São José do Rio Preto (SP) deixou Apucarana após ficar sem receber os pagamentos mensais firmados em contrato. Uma das ações, no valor estimado em R$ 8 milhões, já foi transformada em precatório e está na “fila” do pagamento. A outra, também de R$ 8 milhões, deve ser transformada em precatório em breve.


Procurado pela Tribuna ontem, o prefeito João Carlos disse que a prefeitura “não tem nada a esconder”. No entanto, admitiu a dificuldade de mensurar o tamanho real da dívida devido às desapropriações antigas, que remontam, em alguns casos, os anos 70 e 80, que não foram pagas. Em relação à Construfert, João Carlos não soube explicar porque esses valores não foram incluídos na dívida confessada de R$ 67,3 milhões. “Preciso ver isso com o meu contador”, resumiu.

continua após publicidade

Preocupação com finanças

continua após publicidade


O vereador Júnior da Femac (PDT) defende uma investigação rigorosa da saúde financeira do município. Ele afirma que a sociedade cobra uma posição mais efetiva da prefeitura em relação ao assunto. “A revelação de mais uma dívida (da Construfert) mostra claramente que nós precisamos nos aprofundar sobre o tema. Não é um valor pequeno. São R$ 16 milhões de um débito que não estava sendo apresentado pelo município até agora na contabilidade do endividamento”, assinala.


Mauro Bertoli (PTB), presidente da Câmara, também mostra preocupação. “A gente tem consciência de que o município deve muito, mas a origem dessa dívida é desconhecida. A prefeitura precisa vir a público para esclarecer a real situação financeira do município”, assinala Bertoli. Marcos Antônio Martins, o Marquinho (PTC), também considera importante a abertura de uma CEI. “É importante deixar claro que não estamos acusando o prefeito João Carlos de nada, mas exercendo o direito de obter acesso às informações sobre as dívidas do município. Os eleitores cobram isso da gente”, assinala.(F.K.)