Política

Líder de Richa acusa Pessuti de querer entregar o Porto

Da Redação ·
 Traiano: tucano quer movimento para barrar “federalização”
fonte: Divulgação
Traiano: tucano quer movimento para barrar “federalização”

O futuro líder do governo Beto Richa na Assembleia Legislativa, deputado Ademar Traiano (PSDB), acusou o governador Orlando Pessuti (PMDB) de querer entregar a concessão do Porto de Paranaguá à União, em troca do uso de parte dos recursos da autarquia para obras e projetos da atual administração nesse final de mandato. A denúncia é mais uma de uma série de divergências que vêm emperrando a transição para o novo governo.
 

continua após publicidade

Os portos brasileiros são controlados pelo governo federal. Em alguns casos, como no Paraná, eles são administrados pelos estados em regime de concessão. Segundo informações oficiais, a Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (APPA), autarquia estadual que gere os portos paranaenses, teria em caixa atualmente cerca de R$ 450 milhões.
 

O governador Orlando Pessuti já confirmou que pretende usar parte desses recursos para obras e projetos da atual administração. Entre eles, a construção de uma rodovia interportos, com 145 quilômetros ligando os Portos de Paranaguá e Antonina e também entre os futuros terminais de Imbuguaçu e Pontal do Sul.
 

continua após publicidade

Por conta de restrições legais para utilizar os recursos, Pessuti, segundo o líder de Beto Richa no Legislativo, estaria negociando a devolução da concessão ao governo federal. O governador teria, inclusive, audiência amanhã em Brasília com a cúpula da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) para tratar do assunto.
 

Para tentar frear a transação, Traiano apresentou ontem um requerimento propondo a criação de um movimento pela Assembleia em defesa da manutenção da concessão do porto. Segundo ele, a intenção do próximo governo é corrigir as falhas na gestão do porto para torná-lo competitivo. A entrega da concessão inviabilizaria esses planos. Traiano pediu apoio da sociedade para brecar as intenções de Pessuti. “Nos preocupa essa notícia. Temos que buscar medidas para defender o patrimônio e os interesses do Paraná. O que o Porto precisa é de uma administração eficiente, e o novo governo terá condições de fazer isto”, garantiu.
 

O líder da bancada de oposição na Assembleia, deputado Elio Rusch (DEM), afirmou que não é a federalização que irá solucionar os problemas que os portos de Paranaguá e Antonina enfrentam. “O poder público tem que dar condições para que a economia paranaense seja alavancada. E estar no comando do Porto é um meio para que isso ocorra”, defenderu. “Infelizmente, o governo do estado desrespeitou, nos últimos oito anos, a lei que regulamenta a administração portuária e precisamos agir para evitar que a federalização aconteça”, completou.
 

continua após publicidade

A dúvida dos deputados é se a intenção de federalizar o porto partiu do governo federal, já que os problemas em Paranaguá são muitos, ou do governo do Estado. “Se a ideia da federalização partiu do Governo Federal, cabe ao governador buscar meios para impedir que isso aconteça e não fomentar a iniciativa. O que não podemos é aceitar que isso seja levado adiante. O Paraná tem a concessão dos portos desde 1949, não é porque nos últimos oito anos a administração ficou a deriva que iremos perder essa concessão agora”, disse.


Rusch acredita que a partir do ano que vem a gestão do governador eleito Beto Richa (PSDB) terá condições de fazer uma administração de vanguarda na administração dos portos paranaenses. “Se a federalização ocorrer, será um prejuízo incalculável para o Paraná. Com certeza a futura administração vai dar uma nova dinâmica na administração dos portos de Paranaguá e Antonia.”
 

Defesa

O deputado estadual Nereu Moura (PMDB) foi o único da bancada governista a sair em defesa de Pessuti ontem. Segundo o peemedebista, a oposição estaria cometendo um erro ao acusar o governador de ser irresponsável e leviano, com base em “insinuações”. “O mandato do governador Pessuti vai até 31 de dezembro”, lembrou ele, sem esclarecer, afinal, se o governo do Estado pretende ou não devolver a concessão dos portos à União.
 

Pelo twitter, Pessuti também negou que pretenda devolver o porto à União. “Defendo que administração do porto continue nas mãos do Paraná, como também defendo a escolha de um parnanguara para a superintendência”, garantiu o governador. (IS)