Política

Dilma terá de escolher companhias no PMDB, diz senador

Da Redação ·
 Dilma Rousseff
fonte: Google Imagens
Dilma Rousseff

Mais alinhado do que nunca com o Planalto, o PMDB que entrará no governo Dilma Rousseff a partir de 1º de janeiro de 2011 terá focos de dissidência que prometem muito barulho.

continua após publicidade

Liderança histórica da sigla, o senador Pedro Simon (RS) diz ter enxergado “esperança” no primeiro discurso de Dilma, quando prometeu privilegiar servidores públicos na construção da equipe de governo.

continua após publicidade

Mas ele se diz preocupado com a voracidade do próprio partido por cargos na Esplanada dos Ministérios. Avalia que Dilma vive um momento “delicado” e afirma que ela terá de "escolher" as companhias.

continua após publicidade

“Agora ela tem que escolher com quem irá governar. Enxerguei esperança no primeiro discurso dela, quando disse que iria indicar servidores de carreira, porque não há dúvida que, se o Serra tivesse vencido, seriam esses caras, que estão aí, que estariam no governo. Esse comando do PMDB é diabólico”, afirma o senador gaúcho.

Além de Simon, o ex-governador de Santa Catarina, Luiz Henrique da Silveira, eleito para o Senado com votação histórica, deve juntar-se ao senador pernambucano Jarbas Vasconcelos, nas críticas ao governo.

continua após publicidade

Ambos trabalharam pelo candidato do PSDB, José Serra, durante a campanha presidencial. “Estamos dando apoio e respaldo aos peemedebistas históricos que têm a mesma história de Serra, de luta pelas liberdades democráticas", disse Luiz Henrique, durante o segundo turno.

continua após publicidade


Dentre os governistas, Dilma terá vários caciques peemedebistas batendo à sua porta a partir de 1º de janeiro de 2011. O vice-presidente eleito, Michel Temer (PMDB-SP), será responsável por conversar com as diferentes facções do partido nos 27 estados, mas um grupo seleto de líderes terá acesso direto ao gabinete de Dilma.

O presidente do Senado, José Sarney (AP), e seu grupo, composto pelos senadores reeleitos Romero Jucá (RR), Renan Calheiros (AL) e Edison Lobão, são exemplos, na avaliação do cientista político e pesquisador da Universidade de Brasília (UnB) Leonardo Barreto.

continua após publicidade

“O grupo do Sarney, que contempla Edison Lobão, Renan Calheiros, Romero Jucá, entre outros, representa uma velha elite. Um grupo da velha política”, avalia Barreto.

continua após publicidade

Todos os nomes citados pelo especialista ocuparam postos de destaque ao longo dos oito anos de governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e devem assumir a postura de protagonistas no governo Dilma.

Lobão foi ministro de Minas e Energia e é candidato a retornar ao cargo ou suceder Sarney na presidência do Senado. Jucá deve continuar na liderança do governo no Senado e Renan, que também presidiu a Casa no governo atual, ensaia um incerto retorno.


Além do Senado, na Câmara é o grupo do deputado Henrique Eduardo Alves (RN) que já se movimenta para assumir o comando da Casa, quando Temer passar a ocupar a Vice-presidência da República.

Alves chega fortalecido por ter desempenhado papel de destaque nas negociações de interesses governistas durante o governo Lula.