Política

Lula vira personalidade histórica em novo gibi

Da Redação ·
Presidente Lula vira personalidade histórica em novo gibi
fonte: AP
Presidente Lula vira personalidade histórica em novo gibi

Após ter sua história contada em livro e nas telas do cinema, virar personagem do desenho animado South Park e da "Ilha Presidencial" (do site de humor venezuelano "El Chiguire Bipolar"), e ganhar fama internacional por ser chamado de "o cara" pelo dirigente norte-americano Barack Obama, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva é o tema do primeiro gibi da coleção "História do Brasil em Quadrinhos", da editora Sarandi.

continua após publicidade

A coleção, que chegou às bancas e livrarias de todo País nesta semana, começa com a "Série Brasileiros", que aborda a história de personalidades que marcaram a história do Brasil.

continua após publicidade

A menos de dois meses do final de seus oito anos de mandato, o presidente Lula aproveita a publicação para se despedir do poder em uma carta publicada no final do volume, onde diz que deixa o governo com a "sensação do dever cumprido".

continua após publicidade

Inicialmente foram produzidos 37 mil exemplares do livro "Luiz Inácio Brasileiro da Silva", que chega às bancas ao preço de R$ 4,95. As 48 páginas retratam a trajetória de vida do presidente da República, desde sua infância no sertão pernambucano até os dias atuais, com o final do mandato na Presidência da República, seguindo praticamente a abordagem do filme "Lula, o filho do Brasil". O texto é de Toni Rodrigues, autor dos livros infantis "Um monstro no meu quarto" e "Tem bicho que gosta" e as ilustrações são do argentino Rodolfo Zalla, que se destacou como editor de quadrinhos na década de 80 com as revistas "Calafrio" e "Mestres do Terror" e é conhecido no mercado pela sua habilidade em trabalhar com gêneros diversificados, como terror, guerra, policial, western e sexo.

Diferentemente do filme, o gibi começa com o elogio do presidente norte-americano Barack Obama ao colega brasileiro durante reunião do G-20, em abril de 2009. "Essa é a história do homem que Obama chamou de 'o político mais popular do Planeta Terra'", diz a introdução. Temas que não foram mencionados no filme de Fábio Barreto, como o nascimento de sua filha Lurian e os fatos mais relevantes da história da política brasileira, do final da década de 70 ao período da redemocratização, aparecem no gibi, incluindo a posse de José Sarney, após a morte de Tancredo Neves, a eleição de Fernando Collor de Melo (sem menção ao processo de impeachment) e as duas derrotas para o tucano Fernando Henrique Cardoso, o qual é tratado como "um antigo companheiro de lutas".

continua após publicidade

"Finalmente, nas eleições de 2002, o filho de Dona Lindú se elege pela primeira vez como presidente do Brasil. Ele implementa em seu governo um amplo programa social, sempre que possível voltado para os menos favorecidos", diz o gibi. "Lula é reeleito em 2006. Os problemas são muitos, nem todas as batalhas são vencidas, mas ele chega ao final de seu segundo mandato com um dos maiores índices de popularidade da história da república." A última página da publicação deixa claro que o presidente ocupará um papel importante na história do País. "Muitos se perguntam que futuro aguarda este homem que de uma origem bastante humilde, contra todas as circunstâncias, chegou ao mais alto cargo que um político possa almejar... mas o futuro ainda é uma página em branco...", conclui o gibi.

continua após publicidade

Ao final da leitura, o leitor se depara com uma "mensagem" assinada pelo presidente, onde ele diz que sua história representa a de milhões de brasileiros anônimos que não tiveram oportunidades. Lula agradece a todos que contribuíram para a realização de seu governo, dos funcionários mais humildes aos ministros, à sua família, principalmente a primeira-dama Marisa Letícia. "Apesar do muito que ainda falta ser feito, vou concluir o mandato com a sensação do dever cumprido. Com a certeza de que cada página em branco do nosso futuro há de ser preenchida por homens e mulheres que não desistem nunca e conquistaram o direito de uma vida digna", afirma o presidente.

continua após publicidade

Editora

A editora Sarandi foi criada em 2003 por professores e tem como um dos principais clientes o Ministério da Educação (MEC), que comercializa seus livros didáticos pelo Programa Nacional do Livro Didático (PNLD). A Sarandi também publica obras paradidáticas e é especializada em publicações da área de ciências da natureza e Direito.

Com foco no público infanto-juvenil, a editora espera que a publicação também chegue aos adultos. A linguagem das histórias em quadrinhos foi escolhida pela possibilidade de comunicação rápida e chances de atingir os mais variados leitores. Os próximos volumes da coleção serão sobre Getúlio Vargas, Juscelino Kubitschek e Giuseppe Garibaldi.