Política

Recesso branco esvazia sessão de homenagem a Tuma

Da Redação ·

Um plenário esvaziado por causa do recesso branco, decorrente do segundo turno das eleições, prestou as últimas homenagens ao senador Romeu Tuma (PTB-SP), que morreu no início da tarde de hoje, aos 79 anos, no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. A presidente em exercício, senadora Serys Slhessarenko (PT-MT), encerrou a sessão mais cedo, por volta das 15 horas, em luto pelo parlamentar e designou uma comissão de senadores para representar a instituição no velório, que prossegue até amanhã na capital paulista.

continua após publicidade

Os senadores Marco Maciel (DEM-PE), Álvaro Dias (PSDB-PR), Pedro Simon (PMDB-RS), Gim Argello (PTB-DF) e Cristovam Buarque (PDT-DF) ocuparam a tribuna para homenagear o colega de parlamento. "O senador Romeu Tuma deixou aqui grandes amigos. Ele era uma personalidade de trato ameno, convivia com todos e era extremamente assíduo, frequente, nas sessões do Senado", discursou Marco Maciel. Eles foram correligionários até 2008, quando Tuma trocou o DEM pelo PTB. (Tuma trocou de partido porque o DEM não lhe garantiu a legenda para disputar a reeleição).

continua após publicidade

O líder do PSDB em exercício, Álvaro Dias, chamou a atenção para o perfil contraditório de Romeu Tuma: "De um lado, o policial duro, apelidado de xerifão, e, de outro lado, o homem cordial, conciliador, que procurava, no Senado Federal, estabelecer um relacionamento de amizade ímpar. Tinha o respeito de todos os seus pares, exatamente por essa postura respeitosa que devotava a todos".

continua após publicidade

Referindo-se à generosidade de Tuma, Pedro Simon lembrou-se de quando ele escoltou o então líder sindical Luiz Inácio Lula da Silva, que se encontrava preso no Departamento de Ordem Política e Social (Dops), em São Paulo, para visitar a mãe no leito de morte. Simon também se dirigiu à viúva de Tuma, dona Zilda, que, segundo o peemedebista, zelava pela saúde do companheiro. "Nosso sentimento de pesar à viúva, dona Zilda, com quem ele era casado há muitos e muitos anos. Ela era uma espécie de fiscal dos medicamentos que ele tomava. Frequentemente, ela ligava para ele dizendo: "Está na hora de tomar tal ou qual remédio", revelou Simon.

Twitter

continua após publicidade

Fora de Brasília, muitos senadores prestaram homenagens a Tuma pelo Twitter. "Tuma, homem da segurança, delegado da Polícia Federal, corregedor do Senado, jamais deixou a firmeza ofuscar a ternura. Saúdo sua memória", escreveu o senador Arthur Virgílio (PSDB-AM), em seu perfil no microblog.

continua após publicidade

"Tuma era também um dos maiores especialistas em direito penal do Brasil, além de ter sido grande conhecedor da segurança pública nesse país", escreveu no Twitter o senador Demóstenes Torres (DEM-GO). "Triste com a perda do amigo, companheiro e conciliador, o senador Romeu Tuma. O Senado e o Brasil perdem uma grande figura humana", anotou o petista Delcídio Amaral (MS).

continua após publicidade

Comitiva

Os senadores Aloizio Mercadante (PT-SP) e Eduardo Suplicy (PT-SP), conterrâneos de Tuma - e que se encontram em São Paulo - integram a comissão que representará o Senado no velório. Também devem viajar a São Paulo como representantes da instituição o líder do PTB, Argello, e Simon.

Segunda vice-presidente do Senado, a senadora Serys deverá representar a presidência da Casa. O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), não deve viajar a São Paulo, porque convalesce de uma cirurgia cardíaca a que se submeteu no Hospital Sírio-Libanês no início do mês.