Política

Moro quer ouvir mais uma vez dono de apartamento investigado na Operação Lava Jato

Da Redação ·
Empresário Glaucos Costamarques foi interrogado por Sérgio Moro em 6 de setembro - Foto: Reprodução
Empresário Glaucos Costamarques foi interrogado por Sérgio Moro em 6 de setembro - Foto: Reprodução

O empresário Glaucos da Costamarques, réu em um processo da Operação Lava Jato, junto com ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, vai ser interrogado novamente pelo juiz Sérgio Moro, nesta sexta-feira (15). Além dele, o magistrado deve ouvir ainda o contador João Muniz Leite. Os depoimentos estão marcados para as 10 horas.

continua após publicidade

Os dois devem falar a respeito das divergências entre o Ministério Público Federal (MPF) e a defesa de Lula, sobre uma série de recibos que comprovariam o pagamento de aluguéis de um apartamento vizinho ao que o ex-presidente mora, em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo.

O imóvel é um dos alvos do processo em que Lula e Costamarques são réus. De acordo com o MPF, o empresário adquiriu o apartamento com dinheiro da Odebrecht, com o objetivo de repassá-lo sem custos ao petista. Seria parte de uma propina da empreiteira ao ex-presidente, por ter supostamente atuado a favor da empreiteira em contratos com a Petrobras.

continua após publicidade

A defesa de Lula, entretanto, contesta essa versão e apresentou uma série de recibos, datados entre 2011 e 2015, em que estariam comprovados os pagamentos dos alugueis a Costamarques. Os recibos são em nome da ex-primeira-dama Marisa Letícia, que firmou o contrato junto ao empresário, que assinou os documentos.

Por outro lado, o MPF entrou com um pedido na Justiça para que a origem desses recibos seja investigada. Para os procuradores, os documentos são ideologicamente falsos, ou seja, foram produzidos para dar aparência de legalidade a atos ilegais.

Assinou quando estava internado
O advogado de Costamarques afirmou que o cliente assinou parte desses recibos quando estava internado no Hospital Sírio-Libanês. A versão da defesa do empresário é a de que o advogado de Lula, Roberto Teixeira, visitou o empresário e pediu para que ele assinasse os papeis. Após alguns dias, o contador João Muniz Leite, que atendia a Lula e a Costamarques, foi ao hospital com uma série de recibos, que foram assinados.

continua após publicidade

Perícia informal
Na terça-feira (12), a defesa de Lula apresentou o resultado preliminar de uma perícia informal feita nos recibos. De acordo com os advogados do ex-presidente, o laudo indica que os recibos são originais e autênticos. A defesa afirma ainda que os recibos foram assinados em datas diferentes, o que contradiz a versão de Costamarques.

Juiz tenta entender
Moro pretende ouvir novamente Costamarques e colher também o depoimento de João Leite, para tentar entender a origem desses documentos.

Com informações do portal G1