Política

Beto Richa promete manter programas sociais

Da Redação ·
   Beto Richa disse que vai manter e melhorar programas como Luz Fraterna, Tarifa Social da Água, Leite das Crianças
fonte: Divulgação
Beto Richa disse que vai manter e melhorar programas como Luz Fraterna, Tarifa Social da Água, Leite das Crianças

Beto Richa, afirmou nesta quarta-feira (25), em Toledo, que vai manter, melhorar e ampliar programas sociais no Governo do Estado, como Luz Fraterna, Tarifa Social da Água, Leite das Crianças e o regime tributário que oferece isenção para micro e pequenas empresas. “Já fizemos isso em Curitiba, com o programa Família Curitibana, os Armazéns da Família e programas de incentivo a empresas, que atendem milhares de pessoas na capital, com grande eficiência. Programas que dão resultado e são aprovados pela população paranaense serão mantidos e fortalecidos em todo o Estado”, afirmou Beto a cerca de 1.300 lideranças comunitárias regionais reunidas no Hotel Olinda, em Toledo, no lançamento das candidaturas de Dilceu Sperafico a deputado federal e de Duílio Genari a deputado estadual.
 

continua após publicidade

Beto vai levar para todo o estado o Programa Família Paranaense, com ações integradas de Educação, Saúde, Trabalho, Assistência Social e Habitação. Em contrapartida, as famílias deverão manter as crianças em escolas e participar de programas de preparação para o trabalho. O objetivo é a redução da situação de pobreza das famílias paranaenses.
 

Também participaram do encontro 17 prefeitos da Associação dos Municípios do Oeste do Paraná (Amop). “Beto fez uma grande administração em Curitiba e entende o drama dos municípios. Ele traz a possibilidade de que os prefeitos, principalmente os das pequenas cidades, possam ir a Curitiba e encontrar o Palácio Iguaçu de portas abertas, que sejam recebidos com respeito e dignidade”, disse o presidente da Amop e prefeito de Jesuítas, Aparecido José Weiller Junior (PMDB).
 

continua após publicidade


O prefeito de Toledo, José Carlos Schiavinato (PP), disse que seu município deixou de conquistar muitas coisas por não ser atendido pelo Governo nos últimos 16 anos. “Fico feliz de ver o Programa de Governo do Beto e do Serra porque vejo ações que vão beneficiar a nossa população, que o Governo vai ser parceiro do município e teremos maior participação”, disse Schiavinato.

Gestão Pública
 

continua após publicidade

Na Associação Comercial e Industrial de Toledo (Acit), em palestra para empresários, Beto afirmou que vai implantar no Estado uma visão moderna de gestão pública, criando um ambiente favorável à atração de novos investimentos. “Nos últimos anos, o Paraná deixou de receber uma série de empreendimentos que poderiam gerar emprego, renda e desenvolvimento, mas foram para outras regiões por falta de interesse do Governo. Não havia diálogo, nem sequer segurança jurídica. Eu vou lutar de forma incansável para trazer esses empreendimentos. Vou fortalecer a agricultura, retomar programas que foram abandonados e vou respeitar os produtores”, afirmou.

O presidente da Acit, Eduardo Della Costa, entregou a Beto um documento com uma série de reivindicações para a região Oeste do Paraná, principalmente na área de logística e transporte. “A maioria dos nossos pedidos é relacionada a obrigações do Governo Federal, mas precisamos de apoio do Estado e da bancada federal para concretizar essas obras”, explicou Costa. A lista inclui obras como a duplicação da estrada entre Marechal Cândido Rondon, Toledo e Guaíra; a estruturação do aeroporto regional; a duplicação da BR-277; ramais da Ferroeste até Guaíra e Foz do Iguaçu; entre outros pedidos.
 

continua após publicidade

“Como governador vou buscar o diálogo e o entendimento, vou também exercer a autoridade necessária e reunir nossas bancadas no Congresso para buscar os recursos necessários para as demandas regionais”, disse Beto.


Em resposta a um empresário da região, Beto disse ainda que vai estudar com sua equipe uma forma de atender a uma reivindicação do setor produtivo para parcelar o ICMS, que hoje é recolhido ainda no Porto para a importação de máquinas e equipamentos. “É uma reivindicação justa, que contribui para o incremento da produção e facilita a vida do empresário paranaense”, afirmou.