Política

TSE cancela sessão por causa de atentado em Sergipe

Da Redação ·

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Ricardo Lewandowski, cancelou a sessão extraordinária de julgamentos que havia sido convocada para hoje à noite. O motivo foi o incidente com o presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Sergipe (TRE-SE), Luiz Antônio Araújo Mendonça, que saiu ferido de um atentado a tiros na manhã de hoje.

continua após publicidade

Em nota, o Tribunal de Justiça de Sergipe (TJ-SE) informou que Mendonça foi atingido apenas por fragmentos de projéteis. Mas a Polícia Militar (PM) anunciou que ele foi ferido no ombro e levado para o hospital. Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), o carro que conduzia o juiz foi atingido por tiros disparados por quatro homens quando parou num sinal vermelho da avenida litorânea em Aracaju.

continua após publicidade

De acordo com a pasta, o motorista do presidente do TRE-SE, cabo da PM Jailton Pereira Batista, de 41 anos, foi atingido na cabeça e está internado em estado grave, com risco de morte. Ele foi encaminhado para o Hospital de Urgência para uma cirurgia e transferido para um hospital particular, onde passa por uma tomografia.

continua após publicidade

Toda polícia sergipana está mobilizada para prender os autores do ataque e as saídas de Aracaju foram todas fechadas pela PM e pela Polícia Rodoviária Federal (PRF). Minutos depois do atentado, os quatro suspeitos atearam fogo num veículo no bairro Jardins. Depois, segundo testemunhas, fugiram num carro de placa não anotada.

Pauta do TSE

continua após publicidade

O presidente do TSE convocou sessões extraordinárias de julgamento para as quartas-feiras a fim de acelerar os trabalhos do tribunal no período eleitoral. Há centenas de processos relativos a registros de candidatura e representações eleitorais aguardando análise do colegiado que, normalmente, se reúne às terças e quintas-feiras. Constava da pauta de hoje o processo de prestação de contas de Geraldo Alckmin (PSDB), relativo à campanha presidencial de 2006. O relator, ministro Félix Fischer, recomendou a rejeição das contas.