Política

Dilma rebate Serra e diz que é preciso olhar passado

Da Redação ·

A candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, disse hoje que é preciso olhar para o passado para valorizar as conquistas do presente e planejar o futuro. Em entrevista à imprensa após participar do debate entre os candidatos à Presidência promovido pela Folha e pelo UOL nesta manhã, Dilma respondeu à acusação de Serra de que a candidata "olha apenas pelo retrovisor".

continua após publicidade

"Essa história de que não dá para olhar para o retrovisor é um perigo enorme para um País que tem a história que nós temos", disse Dilma. "Temos uma história de ditadura e temos de olhar para ela para valorizar a democracia. Temos uma história de baixo crescimento e, por isso, valorizamos o alto crescimento. Temos uma história de desigualdade de renda vergonhosa. Por isso, temos de perseguir a erradicação da pobreza. Quem não tem história e passado, não tem presente nem futuro. Temos de aprender com o que fizemos", acrescentou.

continua após publicidade

Na entrevista, Dilma ironizou o jingle de campanha de José Serra, exibido no programa do horário eleitoral de TV ontem, que diz "depois de Lula quero o Serra lá (na Presidência)". "Eu acho interessante o pessoal que fala mal do governo Lula e coloca, na primeira estrofe do seu jingle, o nome do presidente Lula", disse.

continua após publicidade

A candidata afirmou ter gostado do debate e afirmou que o ponto alto foi a interatividade com os internautas. Dilma afirmou também que os próximos programas eleitorais dela na TV vão exibir a realização de obras, como rodovias, ferrovias e usinas hidrelétricas e estaleiros em todo o País. "Vamos ter a oportunidade de mostrar tudo aquilo que fizemos e o Brasil ainda não conhece", disse.

Dilma considerou "deselegante" a pergunta de uma jornalista que participou do debate sobre seu estado de saúde, após o tratamento para combater um câncer linfático. "Vocês podem ficar descansados. Ninguém com alguma doença segura uma campanha eleitoral, como eu seguro", afirmou.

continua após publicidade

Dilma não quis comentar as acusações sobre a suposta ligação entre o PT e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) - questão que foi levantada pelo vice de Serra, Indio da Costa (DEM). "Eu lamento, mas não vou responder a esse senhor", afirmou.