Política

Lula quer paz entre Colômbia e Venezuela

Da Redação ·
  O presidente Lula compareceu à posse para tentar mediar a crise entre Colômbia e Venezuela
fonte: EFE
O presidente Lula compareceu à posse para tentar mediar a crise entre Colômbia e Venezuela

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse neste sábado que todos os países da América do Sul têm pressa em solucionar a crise entre a Colômbia e a Venezuela e que há "boa vontade" de ambos os governos para normalizar as relações diplomáticas.
"Eu acho que todo mundo tem pressa, porque as pessoas precisam comer todo o dia, as pessoas precisam trabalhar todo o dia, precisam se desenvolver todo o dia e, como tem um novo governo, tem uma equipe econômica, as pessoas pensam diferente", afirmou Lula em Bogotá, pouco antes de assistir à posse do novo presidente, Juan Manuel Santos, na praça de Bolívar, centro da capital.
Lula disse que "há sinais importantes" de que o governo de Hugo Chávez e o novo governo de Juan Manuel Santos querem restabelecer o diálogo. "Todo mundo quer conversar, até porque todo mundo perdeu com a confusão, todo mundo perdeu com o conflito, todo mundo perdeu com o atrito. De vez em quando as pessoas ficam cansadas de brigar", disse.
Mediador
O presidente brasileiro, que assumiu o papel de mediador da crise durante visita a Caracas na sexta-feira, disse que Chávez está disposto a fazer "todo o esforço" para restabelecer as relações políticas com a Colômbia. "Inclusive está disposto a encontrar com o presidente Santos", afirmou. Lula disse que a paz entre os dois países, que dividem a extensa fronteira de mais de 2 mil km, além da interdependência energética e econômica, é "o que a América do Sul precisa".
A distensão do lado venezuelano é visível. Apesar da ruptura das relações, o chanceler da Venezuela, Nicolás Maduro, assistiu à posse de Santos. Na chegada à Bogotá, Maduro disse que Chávez envia "bons desejos (a Santos) para dar passos certeiros no processo de recuperação da confiança".
Ao chegar em Bogotá, Lula havia dito acreditar "100%" na possibilidade de que os governos da Venezuela e Colômbia reatem relações diplomáticas depois da posse de Santos. "Vocês estão lembrados do Irã, que eu falei que acreditava em 99% (de chance de ser fechado o acordo para a o enriquecimento de urânio fora de Teherã). Agora acredito 100% (na reaproximação entre Caracas e Bogotá)", afirmou.
Neste sábado, o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, fez uma primeira reunião com a chanceler colombiana Maria Angela Holguín. Além da conversa sobre a crise binacional, eles acordaram a visita de Santos à Brasília no dia 1º de setembro, a primeira bilateral entre os dois mandatários.
Além do presidente Lula, outras 17 delegações assistiram à posse de Santos, ex-ministro de Defesa e herdeiro político de Uribe, que governou durante oito anos.
 

continua após publicidade