Política

Voto 'decisivo' do impeachment de Dilma virá do Nordeste

Da Redação ·
Em esforço para elevar sua popularidade, o peemedebista também tem focado em pautas positivas - Foto: Arquivo
Em esforço para elevar sua popularidade, o peemedebista também tem focado em pautas positivas - Foto: Arquivo

ANDRÉ MONTEIRO
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A decisão sobre o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff na Câmara será feita com o voto de um deputado da região Nordeste.
É o que apontam projeções feitas com base no levantamento da Folha de S.Paulo sobre o placar da votação, que ocorrerá no domingo (17).
Até as 19h30 desta sexta (15), 340 deputados disseram ao jornal que votarão a favor do impeachment de Dilma, o que configura dois votos a menos do que o mínimo necessários para a aprovação.
Outros 18 se declararam indecisos, 19 não quiseram antecipar os votos e seis não responderam ou não foram localizados.
Nessa situação, é possível projetar um cenário hipotético para estimar de qual parlamentar poderá sair o voto decisivo, caso a oposição consiga o mínimo necessário.
Considerando que todos os deputados atualmente sem decisão acabem votando a favor do impeachment, o voto de número 342 seria proferido pelo deputado Damião Feliciano (PDT-PB), o 461º na lista de votação e que ainda não declarou voto.
A partir dele, dependendo do que escolherem os indecisos, o voto final poderá sair apenas do último parlamentar na ordem de votação, o deputado Ronaldo Lessa (PDT- AL) -que por enquanto não declarou voto.
Entre os dois parlamentares há outros 40 nomes que também têm chances de serem os autores do voto definitivo do impeachment, dependendo de como votarem os indefinidos.
Por causa da ordem de votação definida pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), todos eles também são da região Nordeste: oito da Paraíba, 20 de Pernambuco, seis de Sergipe e seis de Alagoas.

continua após publicidade