Política

Osmar promete manter recursos às universidades

Da Redação ·
Candidato ao Senado participou de reunião com reitores das universidades
fonte: Divulgação
Candidato ao Senado participou de reunião com reitores das universidades

Em reunião com vices e pró-reitores das universidades estaduais, na terça-feira, em Curitiba, o candidato ao governo Osmar Dias garantiu que vai dar continuidade aos programas implantados pelos governos estadual e federal e manter os 2% do Fundo de Ciência e Tecnologia direcionados às instituições públicas de ensino para pesquisa. “Essa questão já está definida”’, assegurou Osmar, respondendo à principal reivindicação feita pelos representantes das instituições de ensino estaduais.
Osmar disse que pretende manter diálogo constante com os representantes do ensino superior. “Estou aqui para ouvir vocês e aprender com quem sabe e é assim que vou conduzir meu governo”, ressaltou, explicando que a proposta é não só continuar o que foi feito de bom, mas avançar. “O que foi feito até agora serviu para nos arrancar do chão; nós vamos aumentar a velocidade das conquistas”, completou.

continua após publicidade


O senador Osmar Dias lembrou que apresentou projeto de lei solicitando que o governo federal fique responsável por pelo menos 50% do custeio das universidades estaduais. A proposta, já aprovada pelo Senado, está tramitando na Câmara dos Deputados, aguardando votação.


Na reunião com os representantes estaduais de ensino superior, o candidato da coligação “A União Faz Um Novo Amanhã” também debateu a questão dos estágios, cuja lei atual é de sua autoria. Ele disse que a questão do estágio nas universidades públicas deve ser discutida, especialmente na busca de possibilidades de flexibilização por parte das instituições de ensino.

continua após publicidade


ESTUDANTES - Ainda na terça-feira, Osmar Dias defendeu, durante encontro com estudantes na Universidade Positivo, que um projeto claro de governo vai impedir que o Paraná cometa os mesmos erros do passado. “Quando o governo erra, não são só quatro anos perdidos; uma geração inteira vai pagar essa conta”, avaliou Osmar, lembrando situações ocorridas no Paraná, como a venda de empresas públicas, a exemplo do Banestado, em 2000.