Política

'Não farei comentários', diz Cunha sobre temor de ser preso 

Da Redação ·
Jaques Wagner acusa Eduardo Cunha de manobras pró-impeachment  - Foto: Arquivo-imagem ilustrativa
Jaques Wagner acusa Eduardo Cunha de manobras pró-impeachment - Foto: Arquivo-imagem ilustrativa

GUSTAVO URIBE E RANIER BRAGON
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) não quis comentar se teme ser preso no rastro da Operação Lava Jato. Nesta quarta-feira (25), o líder do governo no Senado Federal, Delcídio do Amaral (PT-MS), foi preso pela Polícia Federal acusado de obstruir as investigações.
Foi a primeira vez que um senador foi preso no exercício do cargo, já que a Constituição Federal só permite a prisão de parlamentar em crime flagrante.
"Não vou fazer comentários sobre isso", disse o peemedebista ao ser questionado se está receoso com a possibilidade de também ser detido.
Os principais partidos de oposição ao governo federal utilizarão a prisão do petista como argumento para a necessidade de afastamento de Cunha.
O argumento é de que assim como Delcídio, o peemedebista tem manobrado para atrapalhar o processo de cassação contra ele no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados.
Para líderes oposicionistas, as articulações de Cunha impedem a produção de provas que poderiam ser usadas contra ele na esfera criminal.
O peemedebista também não quis fazer comentários sobre a prisão do petista. Ele explicou que tem acompanhado o episódio desde a manhã, mas avaliou que, sem acesso aos autos do processo, não tem condições de opinar.
Cunha reconheceu que a prisão do petista afetou o Congresso Nacional como um todo, mas negou que o episódio tenha sido responsável pelo cancelamento da sessão parlamentar desta quarta-feira (25) na Câmara dos Deputados.
A previsão é de que fosse convocada uma sessão do Congresso Nacional para analisar vetos presidenciais e a revisão da meta fiscal de 2015. Com a prisão do petista, no entanto, a sessão conjunta foi cancelada.
A pauta da Câmara dos Deputados está trancada por proposta de autoria do Poder Executivo que fixa novas normas para o cálculo do teto de remuneração de servidores e agentes públicos.
Segundo Cunha, os líderes da base aliada não chegaram ainda a um consenso em relação ao projeto de lei, não permitindo que ele fosse votado nesta quarta-feira (25).
"Com essa confusão, a liderança do governo cancelou as reuniões que faria hoje para tentar chegar a um consenso sobre o texto do teto. Então, está trancada a pauta", explicou.

continua após publicidade