Política

Propina a presidente da Eletronuclear foi de R$ 4,5 mi, diz Procuradoria

Da Redação ·
Presidente licenciado da Eletronuclear, Othon Luiz Pinheiro da Silva foi preso nesta terça-feira (28)  pela PF - Foto: Wilson Dias/Agência Brasil
Presidente licenciado da Eletronuclear, Othon Luiz Pinheiro da Silva foi preso nesta terça-feira (28) pela PF - Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

ESTELITA HASS CARAZZAI, GRACILIANO ROCHA E BELA MEGALE
CURITIBA, PR, E SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidente licenciado da Eletronuclear, o almirante Othon Luiz Pinheiro da Silva, recebeu R$ 4,5 milhões em propina, de acordo com Athayde Ribeiro Costa, um dos procuradores integrantes da força-tarefa da Operação Lava Jato. Os pagamentos, diz a investigação, foram efetuados entre 2009 e 2014.

Em entrevista coletiva na manhã desta terça (28), o procurador Costa disse que o pagamento de propinas continuou a ocorrer mesmo após a prisão dos primeiros executivos no âmbito da Operação Lava Jato. "A corrupção no Brasil é endêmica e está em processo de metástase", disse.

O almirante Othon, que foi afastado este ano da estatal, foi preso na manhã desta terça no Rio em nova fase da Lava Jato.

Ele pediu o afastamento do cargo em abril, após virem à tona notícias de que ele teria recebido propina nas obras da usina nuclear de Angra 3. Parte das revelações foram feitas na delação premiada de Dalton Avancini, ex-presidente da Camargo Corrêa. O almirante nega ter recebido pagamentos indevidos.

Os pagamentos tiveram origem em contratos das empreiteiras Andrade Gutierrez e Engevix, segundo as investigações. O dinheiro, ainda de acordo com a Procuradoria, percorreu pagamentos de empresas intermediárias por serviços não prestados de consultoria, que, depois, repassaram os valores para a Aratec Engenharia Consultoria e Representações, controlada pelo almirante Othon.

Uma das notas da Aratec foi emitida em setembro de 2014, seis meses após o início das investigações da Lava Jato. O foco sobre Angra 3 começou com o depoimento do delator Dalton Avancini, da Camargo Corrêa.

Iniciada em 2009, Angra 3 deveria ter entrado em operação este ano, mas a usina, a terceira planta de geração nuclear do país, está prevista para começar a produzir energia apenas em maio de 2018. O custo da obra mais que dobrou em seis anos: prevista inicialmente para custar R$ 7 bilhões, a obra é orçada atualmente em R$ 15 bilhões.

continua após publicidade