Política

Beto dará gratificação a policiais por apreensão de drogas

Da Redação ·
Beto Richa prometeu dar gratificação por apreensão de drogas caso seja eleito
fonte: Divulgação
Beto Richa prometeu dar gratificação por apreensão de drogas caso seja eleito

O candidato da coligação Novo Paraná ao Governo do Estado, Beto Richa, disse em Foz do Iguaçu, em entrevista coletiva na manhã desta terça-feira (20), que os policiais terão gratificação por volume de droga apreendida, como forma de valorizar o trabalho do profissional e fortalecer o combate ao narcotráfico.

continua após publicidade

“Em oito anos, as taxas de criminalidade no Paraná aumentaram assustadoramente. Hoje, Foz do Iguaçu tem o maior índice de jovens assassinados no Brasil. É preciso planejamento e vontade política para reverter esta situação”, disse Beto, que também participou de uma carreata com mais de 400 automóveis pelo centro da cidade, acompanhando dos candidatos a vice-governador, Flávio Arns, e ao Senado, Gustavo Fruet e Ricardo Barros.

continua após publicidade


Beto também anunciou a o retorno dos Módulos Policiais, a reativação das patrulhas rurais, o aumento do efetivo policial, e a criação de um núcleo de inteligência policial. “É possível reverter estes índices alarmantes. São Paulo fez isto no governo José Serra e hoje tem menos crimes que o Paraná”, disse Richa.

Infraestrutura - Na entrevista coletiva, Richa também afirmou que é preciso melhorar a infraestrutura e logística de transporte na região Oeste do Paraná. Um dos compromissos assumido por Richa é a duplicação da BR 277. “A população não pode ser mais ludibriada com promessas demagógicas. É preciso chamar as concessionárias de estradas para conversar para rever pedágios e fazer obras necessárias, abrindo as planilhas e fazendo prevalecer o interesse público”, disse Richa.
Beto Richa vai valorizar o potencial turístico de Foz do Iguaçu. “É preciso aumentar os investimentos e preparar a cidade para atrair mais turistas, em especial os da Copa de 2014, que visitarão o Brasil”, afirmou. Richa destacou, ainda investimentos na saúde e a implantação do programa Mãe Paranaense, que dará atenção integral à mãe e ao bebê durante toda a gestação.

Veja o que Beto Richa vai fazer na Segurança Pública


REESTRUTURAÇÃO DOS ÓRGÃOS DE SEGURANÇA PÚBLICA

Ampliação do efetivo das Polícias
Adequar o efetivo das Polícias de acordo com critérios técnicos, considerando variáveis como território, população, localidade portuária, fronteira, conurbação metropolitana, aspecto comercial, industrial, PIB, IDH e outros fatores que tenham influência na segurança da população.

Viatura na rua
Por meio da modalidade de permuta, as viaturas serão substituídas a um período médio de uso, para reduzir gastos com manutenção e nas novas aquisições.

Racionalização da PMPR
O objetivo é aumentar o efetivo operacional diminuindo o efetivo administrativo, melhorando a gestão operacional. Policiais militares que estão em atividades diferentes de suas atribuições, como a guarda de presos, serão redirecionados ou redistribuídos para unidades de área.

Polícia Civil
A Polícia Civil deverá se especializar, tornando-se, verdadeiramente, uma polícia judiciária. A guarda de presos deverá ser repassada para a administração penitenciária.

Polícia Científica
Criação de um Instituto autônomo, que abranja Perícia e Medicina Legal, autossuficiente, para prestar serviços a outras esferas públicas, arrecadando recursos e buscando a excelência na perícia legal e de locais de crime.
Requalificação dos peritos na área técnico-científica, incorporando novas metodologias e avanços tecnológicos e criação de novas seções técnicas no interior do Estado, dotadas de laboratórios e toda a infraestrutura necessária, descentralizando os serviços periciais.
Criação de seções técnicas móveis para deslocamento a locais distantes.

Bombeiro Militar e Defesa Civil
Tornar o Corpo de Bombeiros independente;
Passar a coordenação estadual da Defesa Civil ao Corpo de Bombeiros, desvinculando da Casa Militar;
Migrar o SIATE para o modelo de atendimento RESGATE pré-hospitalar (adotado em outros Estados) que é mais eficiente e menos oneroso aos cofres públicos;
Interiorizar os serviços de bombeiros às cidades de pequeno e médio porte, muitas delas hoje sem qualquer atendimento.


Fortalecer as forças policiais, civil e militar

Avaliação de desempenho policial
Cada policial passará por avaliação periódica de desempenho, para reduzir a distância entre suas competências e as ações policiais e para acompanhar os desafios propostos, corrigindo os rumos e avaliando os resultados obtidos.

Apreensão remunerada
As apreensões de drogas terão reflexos no salário do policial;

Criação de programas de endomarketing
Programas permanentes de prevenção e controle do estresse profissional, com estruturas de tratamento profilático e terapêutico para casos agudos e de gravidade que sejam acometidos policiais militares e bombeiros no desempenho de suas funções.





FORTALECIMENTO DAS AÇÕES DE POLÍCIA PREVENTIVA

Criação do Gabinete de Gestão Integrada Estadual
O Gabinete de Gestão Integrada permitirá que profissionais da segurança de todas as extensões do Poder Público possam trocar informações, planejar atuações em conjunto, discutir formas de enfrentar os problemas de Segurança Pública com os setores do Governo e buscar soluções para a sua melhoria.


Combate Ao crime organizado

Combate ao narcotráfico
Racionalizar os efetivos, priorizando a qualidade, evitando a superposição atual de forças tarefas que atuam no combate ao tráfico de drogas. Fortalecer o serviço Narcodenúncia (181), agregando um setor de análise e melhorando qualitativamente as investigações para desmantelar as organizações criminosas.
O usuário de drogas será tratado em uma rede conjunta da Saúde Pública, municipal estadual e federal, com política efetiva de redução de danos.

Combate aos crimes de “colarinho branco”.
Modificar o Núcleo de Combate aos Crimes Econômicos (Nurce) e unificar com o Núcleo de Combate aos Crimes Informáticos, estruturando um Departamento de Combate ao Crime Organizado articulado com a receita estadual, ouvidoria do Estado e outros órgãos de serviços, controle e fiscalização, para detectar e rastrear ilícitos de altos valores.

Inteligência e tecnologia para segurança

Polícia inteligente
Fazer análise dos dados coletados na área de atendimento, para racionalizar o emprego e direcionar os esforços para um combate eficiente da criminalidade. Implementar redes de inteligência, coleta de dados para melhor assessoramento nas tomadas de decisão quanto ao emprego da polícia.

Tecnologia de proteção
Instalação de câmeras nos principais logradouros públicos, prevenindo, inibindo e reprimindo o cometimento de delitos.
Uso de armas não letais pelos policiais, para imobilizar os criminosos. Criar, desenvolver ou adquirir software para rastrear crimes cibernéticos como pedofilia e invasões de sítios.

Tecnologia de interação
Elaborar projetos para o compartilhamento dos dados de criminosos para todas as áreas de segurança pública, para que todas tenham as mesmas informações em tempo real.
Gerar dados integrados de todos os problemas de segurança estabelecendo índices, por localidade (rua, bairro e cidade) e disponibilizar as bases georreferenciadas para toda a estrutura policial, criando responsabilidade territorial e permitindo a adoção de ações específicas para alcançar índices aceitáveis dentro da área de atuação.

Estruturar a Administração Penitenciária
Melhorar a estrutura da administração penitenciária, central de cumprimento de medidas sócioeducativas, central de cumprimento de penas alternativas.
Novas Penitenciárias para Jovens, afastando-os da influência de apenados contumazes e mais velhos. Interiorização de penitenciárias femininas e CDP femininos

Presídios industriais
Por meio de parcerias público-privadas, construir, administrar e monitorar presos em presídios industriais;
Reduzir a população carcerária das delegacias, otimizar custos de gestão dos detentos, reduzir a reincidência dos egressos e evitar a prática de novos crimes daqueles que progridem a pena.

GESTÃO COMUNITÁRIA DE SEGURANÇA PÚBLICA

Fortalecimento dos conselhos comunitários de segurança
Criados no Paraná em 1982/83, no governo José Richa, os Conselhos Comunitários de Segurança Pública espalharam-se pelo Brasil como forma democrática de gerir a segurança pública. São Organizações Não Governamentais a serviço da comunidade, com legitimidade para reivindicar e fiscalizar as ações do Estado na área de segurança pública no bairro, região ou cidade.

Criação do Conselho Estadual de Segurança Pública
Com formação paritária (Polícia e Sociedade), como orienta a constituição Estadual. Cada município deverá ter um Conselho Municipal de Segurança para orientar as ações na construção de uma cultura da Paz, unindo poder municipal, polícia e sociedade civil.

Incentivo à criação e regulamentação de guardas municipais
Dentro de sua atribuição constitucional, a Guarda Municipal atua na proteção dos bens, serviços e instalações do município, como escolas, unidades de saúde, parques e outros locais. Deve ser preparada também para o enfrentamento do crime e da violência e será uma das formas de atuação direta do município na Segurança Pública.

Reativação dos Módulos de Policiamento
Reativação do Sistema Modular de Policiamento Urbano, integrado à comunidade, substituindo o Projeto POVO por uma forma de atendimento à população que preserve a estrutura da Polícia Militar, com um pelotão para cada 25.000 habitantes, em média. Os módulos funcionarão como bases comunitárias fixas de atendimento descentralizado nas grandes cidades.

Reduzir a criminalidade urbana e rural

Pacificação dos confrontos agrários
Inovar a atuação policial para garantir a segurança no campo, preferencialmente, sem o emprego O candidato da coligação Novo Paraná ao Governo do Estado, Beto Richa, disse em Foz do Iguaçu, em entrevista coletiva na manhã desta terça-feira (20), que os policiais terão gratificação por volume de droga apreendida, como forma de valorizar o trabalho do profissional e fortalecer o combate ao narcotráfico. “Em oito anos, as taxas de criminalidade no Paraná aumentaram assustadoramente. Hoje, Foz do Iguaçu tem o maior índice de jovens assassinados no Brasil. É preciso planejamento e vontade política para reverter esta situação”, disse Beto, que também participou de uma carreata com mais de 400 automóveis pelo centro da cidade, acompanhando dos candidatos a vice-governador, Flávio Arns, e ao Senado, Gustavo Fruet e Ricardo Barros.
Beto também anunciou a o retorno dos Módulos Policiais, a reativação das patrulhas rurais, o aumento do efetivo policial, e a criação de um núcleo de inteligência policial. “É possível reverter estes índices alarmantes. São Paulo fez isto no governo José Serra e hoje tem menos crimes que o Paraná”, disse Richa.

Infraestrutura

Na entrevista coletiva, Richa também afirmou que é preciso melhorar a infraestrutura e logística de transporte na região Oeste do Paraná. Um dos compromissos assumido por Richa é a duplicação da BR 277. “A população não pode ser mais ludibriada com promessas demagógicas. É preciso chamar as concessionárias de estradas para conversar para rever pedágios e fazer obras necessárias, abrindo as planilhas e fazendo prevalecer o interesse público”, disse Richa.
Beto Richa vai valorizar o potencial turístico de Foz do Iguaçu. “É preciso aumentar os investimentos e preparar a cidade para atrair mais turistas, em especial os da Copa de 2014, que visitarão o Brasil”, afirmou. Richa destacou, ainda investimentos na saúde e a implantação do programa Mãe Paranaense, que dará atenção integral à mãe e ao bebê durante toda a gestação.

Veja o que Beto Richa vai fazer na Segurança Pública


REESTRUTURAÇÃO DOS ÓRGÃOS DE SEGURANÇA PÚBLICA

Ampliação do efetivo das Polícias
Adequar o efetivo das Polícias de acordo com critérios técnicos, considerando variáveis como território, população, localidade portuária, fronteira, conurbação metropolitana, aspecto comercial, industrial, PIB, IDH e outros fatores que tenham influência na segurança da população.

Viatura na rua
Por meio da modalidade de permuta, as viaturas serão substituídas a um período médio de uso, para reduzir gastos com manutenção e nas novas aquisições.

Racionalização da PMPR
O objetivo é aumentar o efetivo operacional diminuindo o efetivo administrativo, melhorando a gestão operacional. Policiais militares que estão em atividades diferentes de suas atribuições, como a guarda de presos, serão redirecionados ou redistribuídos para unidades de área.

Polícia Civil
A Polícia Civil deverá se especializar, tornando-se, verdadeiramente, uma polícia judiciária. A guarda de presos deverá ser repassada para a administração penitenciária.

Polícia Científica
Criação de um Instituto autônomo, que abranja Perícia e Medicina Legal, autossuficiente, para prestar serviços a outras esferas públicas, arrecadando recursos e buscando a excelência na perícia legal e de locais de crime.
Requalificação dos peritos na área técnico-científica, incorporando novas metodologias e avanços tecnológicos e criação de novas seções técnicas no interior do Estado, dotadas de laboratórios e toda a infraestrutura necessária, descentralizando os serviços periciais.
Criação de seções técnicas móveis para deslocamento a locais distantes.

Bombeiro Militar e Defesa Civil
Tornar o Corpo de Bombeiros independente;
Passar a coordenação estadual da Defesa Civil ao Corpo de Bombeiros, desvinculando da Casa Militar;
Migrar o SIATE para o modelo de atendimento RESGATE pré-hospitalar (adotado em outros Estados) que é mais eficiente e menos oneroso aos cofres públicos;
Interiorizar os serviços de bombeiros às cidades de pequeno e médio porte, muitas delas hoje sem qualquer atendimento.


Fortalecer as forças policiais, civil e militar

Avaliação de desempenho policial
Cada policial passará por avaliação periódica de desempenho, para reduzir a distância entre suas competências e as ações policiais e para acompanhar os desafios propostos, corrigindo os rumos e avaliando os resultados obtidos.

Apreensão remunerada
As apreensões de drogas terão reflexos no salário do policial;

Criação de programas de endomarketing
Programas permanentes de prevenção e controle do estresse profissional, com estruturas de tratamento profilático e terapêutico para casos agudos e de gravidade que sejam acometidos policiais militares e bombeiros no desempenho de suas funções.





FORTALECIMENTO DAS AÇÕES DE POLÍCIA PREVENTIVA

Criação do Gabinete de Gestão Integrada Estadual
O Gabinete de Gestão Integrada permitirá que profissionais da segurança de todas as extensões do Poder Público possam trocar informações, planejar atuações em conjunto, discutir formas de enfrentar os problemas de Segurança Pública com os setores do Governo e buscar soluções para a sua melhoria.


Combate Ao crime organizado

Combate ao narcotráfico
Racionalizar os efetivos, priorizando a qualidade, evitando a superposição atual de forças tarefas que atuam no combate ao tráfico de drogas. Fortalecer o serviço Narcodenúncia (181), agregando um setor de análise e melhorando qualitativamente as investigações para desmantelar as organizações criminosas.
O usuário de drogas será tratado em uma rede conjunta da Saúde Pública, municipal estadual e federal, com política efetiva de redução de danos.

Combate aos crimes de “colarinho branco”.
Modificar o Núcleo de Combate aos Crimes Econômicos (Nurce) e unificar com o Núcleo de Combate aos Crimes Informáticos, estruturando um Departamento de Combate ao Crime Organizado articulado com a receita estadual, ouvidoria do Estado e outros órgãos de serviços, controle e fiscalização, para detectar e rastrear ilícitos de altos valores.

Inteligência e tecnologia para segurança

Polícia inteligente
Fazer análise dos dados coletados na área de atendimento, para racionalizar o emprego e direcionar os esforços para um combate eficiente da criminalidade. Implementar redes de inteligência, coleta de dados para melhor assessoramento nas tomadas de decisão quanto ao emprego da polícia.

Tecnologia de proteção
Instalação de câmeras nos principais logradouros públicos, prevenindo, inibindo e reprimindo o cometimento de delitos.
Uso de armas não letais pelos policiais, para imobilizar os criminosos. Criar, desenvolver ou adquirir software para rastrear crimes cibernéticos como pedofilia e invasões de sítios.

Tecnologia de interação
Elaborar projetos para o compartilhamento dos dados de criminosos para todas as áreas de segurança pública, para que todas tenham as mesmas informações em tempo real.
Gerar dados integrados de todos os problemas de segurança estabelecendo índices, por localidade (rua, bairro e cidade) e disponibilizar as bases georreferenciadas para toda a estrutura policial, criando responsabilidade territorial e permitindo a adoção de ações específicas para alcançar índices aceitáveis dentro da área de atuação.

Estruturar a Administração Penitenciária
Melhorar a estrutura da administração penitenciária, central de cumprimento de medidas sócioeducativas, central de cumprimento de penas alternativas.
Novas Penitenciárias para Jovens, afastando-os da influência de apenados contumazes e mais velhos. Interiorização de penitenciárias femininas e CDP femininos

Presídios industriais
Por meio de parcerias público-privadas, construir, administrar e monitorar presos em presídios industriais;
Reduzir a população carcerária das delegacias, otimizar custos de gestão dos detentos, reduzir a reincidência dos egressos e evitar a prática de novos crimes daqueles que progridem a pena.

GESTÃO COMUNITÁRIA DE SEGURANÇA PÚBLICA

Fortalecimento dos conselhos comunitários de segurança
Criados no Paraná em 1982/83, no governo José Richa, os Conselhos Comunitários de Segurança Pública espalharam-se pelo Brasil como forma democrática de gerir a segurança pública. São Organizações Não Governamentais a serviço da comunidade, com legitimidade para reivindicar e fiscalizar as ações do Estado na área de segurança pública no bairro, região ou cidade.

Criação do Conselho Estadual de Segurança Pública
Com formação paritária (Polícia e Sociedade), como orienta a constituição Estadual. Cada município deverá ter um Conselho Municipal de Segurança para orientar as ações na construção de uma cultura da Paz, unindo poder municipal, polícia e sociedade civil.

Incentivo à criação e regulamentação de guardas municipais
Dentro de sua atribuição constitucional, a Guarda Municipal atua na proteção dos bens, serviços e instalações do município, como escolas, unidades de saúde, parques e outros locais. Deve ser preparada também para o enfrentamento do crime e da violência e será uma das formas de atuação direta do município na Segurança Pública.

Reativação dos Módulos de Policiamento
Reativação do Sistema Modular de Policiamento Urbano, integrado à comunidade, substituindo o Projeto POVO por uma forma de atendimento à população que preserve a estrutura da Polícia Militar, com um pelotão para cada 25.000 habitantes, em média. Os módulos funcionarão como bases comunitárias fixas de atendimento descentralizado nas grandes cidades.

Reduzir a criminalidade urbana e rural

Pacificação dos confrontos agrários
Inovar a atuação policial para garantir a segurança no campo, preferencialmente, sem o emprego de força, afastando confronto e preparando uma nova metodologia de contato com os movimentos sociais.

Preparar o Sistema de Segurança Pública para os jogos da Copa do Mundo 2014
Preparação de policiais militares e bombeiros para atuação específica na segurança de eventos futebolísticos de nível internacional, inclusive com a criação de uma unidade especializada em eventos.


Fortalecer o treinamento de policiais militares e bombeiros em ações de risco grave, como ações anti-sequestro, ações antiatentado, antibomba e similares, bem como quanto para a ação de grupos organizados nacionais e internacionais.

de força, afastando confronto e preparando uma nova metodologia de contato com os movimentos sociais.

Preparar o Sistema de Segurança Pública para os jogos da Copa do Mundo 2014
Preparação de policiais militares e bombeiros para atuação específica na segurança de eventos futebolísticos de nível internacional, inclusive com a criação de uma unidade especializada em eventos.
Fortalecer o treinamento de policiais militares e bombeiros em ações de risco grave, como ações anti-sequestro, ações antiatentado, antibomba e similares, bem como quanto para a ação de grupos organizados nacionais e internacionais.