Política

Pelo menos 100 pessoas ficaram feridas em protesto de Curitiba, segundo GM

Da Redação ·
Batalhão de choque entra em confronto com manifestantes - Foto: Gazeta do Povo
Batalhão de choque entra em confronto com manifestantes - Foto: Gazeta do Povo

(Atualizado às 17h30)

Durante a tarde desta quarta-feira (29) um novo conflito, entre servidores e policiais militares eclodiu na região do Centro Cívico em Curitiba. Segundo informações do G1 Paraná, há registro de feridos no local. Por volta das 15h20 professores tentam se esconder na prefeitura de Curitiba. Policiais voltaram a atirar bombas nos professores e a Guarda Municipal foi acionada para comparecer ao local.

A categoria está em greve desde sábado (25) e milhares de alunos estão sem aula. Pelo menos 100 pessoas ficaram feridas, segundo a Guarda Municipal. Desses, 42 precisaram de atendimento médico.

Às 16h, milhares de manifestantes tentavam ultrapassar a barreira humana feita pelos policiais para poder acompanhar a sessão. A polícia usou bombas de efeito moral, spray de pimenta, balas de borracha e gás lacrimogêneo, de acordo com os manifestantes.

continua após publicidade

A aprovação das mudanças, em primeiro turno, ocorreu em uma sessão na tarde de terça-feira com 31 votos favoráveis e 20 contrários. O projeto de lei muda a fonte de pagamento de mais de 30 mil beneficiários para o Fundo Previdenciário.


RESUMO (Até ás 17h30)

- Deputados tentam votar projeto que altera custeio da ParanaPrevidência

continua após publicidade

- Emendas já foram aprovadas, e 2ª discussão deve ocorrer ainda hoje

- Policia e professores ficaram mais de duas horas em conflito

.- A todo momento se ouvia barulho de bomba e de tiros de balas de borracha

continua após publicidade

- Guarda Municipal afirma ter atendido mais de 100 feridos

- No Plenário, deputados falam sobre embate.

continua após publicidade

Professores feridos buscam refúgio na Prefeitura de Curitiba - Foto: Samuel Nunes - G1

continua após publicidade


Habeas Corpus


Foi revogado no inicio da tarde de hoje pelo Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) o habeas corpus que permitia a entrada dos servidores na Assembleia Legislativa do Paraná durante a votação do projeto que altera o Paranaprevidência. As informações são da CBN Londrina e do Paraná Online.

O habeas corpus foi conseguido ontem pelos sindicatos para acesso à Casa para acompanhar a segunda votação do projeto Agora só será permitida a entrada dos presidentes das entidades que representam o funcionalismo público do Estado.

Os professores que estão no Centro Cívico, em frente à Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), nesta quarta-feira (29), bloquearam todas as entradas possíveis dos deputados na Casa. A votação para o projeto que prevê modificações na previdência do funcionalismo público deverá ir ao plenário por volta das 14h30.

Com esse bloqueio pode haver confusão no entorno da Alep. Apesar de o cordão feito pelos manifestantes, a relação entre professores e policiais se mantém calma. O clímax deve acontecer quando os parlamentares começarem a chegar para a sessão.

A manifestação começou na Praça 19 de Dezembro e os professores caminham em direção à Alep, direto ao encontro dos mais de mil policiais que bloqueavam o acesso. Quando se aproximaram da Alep, não conseguiram colocar o caminhão de som da APP-Sindicato mais a frente, na Cândido de Abreu, e houve confusão.

Um ônibus da PM foi enviado para bloquear a passagem do caminhão de som e um dos professores causou alvoroço ao tentar impedir a passagem do veículo. Ele deitou no chão, em frente ao gigante e muitos manifestantes se juntaram ao ato. Um cordão feito pelos professores, além dos que estavam no chão, impediu que o ônibus passasse. Para evitar que algo pior acontecesse, o veículo não saiu do local.

Confira informações em tempo real AQUI - Informações do G1 Paraná AQUI