Política

Câmara reage à venda de carne em vans

Da Redação ·
Venda de carne em vans gera polêmica na Câmara de Vereadores de Apucarana
fonte: Divulgação
Venda de carne em vans gera polêmica na Câmara de Vereadores de Apucarana

A reação dos açougueiros e proprietários de supermercados à agressiva estratégia de venda de carne de porta em porta que o Grupo JBS/Friboi vem realizando na região já chegou à Câmara de Apucarana. O vereador Marcos Antônio Martins (PTC), que vem representando o Legislativo nas reuniões realizadas pelos açougueiros, usou da tribuna da Câmara por duas vezes para criticar a investida do JBS. “Como é a maior empresa do mundo no setor de alimentos, o grupo tem condições de entrar no mercado local com preços lá embaixo. Depois é óbvio que vai realinhar os preços, só que já terá causado grande número de desemprego no município”, advertiu Marquinhos, apoiado por outros vereadores.

continua após publicidade

Na sua opinião, a investida do JBS vai causar desemprego nos açougues, mercados, supermercados e frigoríficos, além da submissão dos pecuaristas e da redução da concorrência nas vendas de carnes. “Aqueles que tendem a ficar do lado do JBS, achando bonito comprar picanha fatiada a R$ 11 o quilo, por exemplo, precisam saber que por trás disso haverá pais de família desempregados e que quando os estabelecimentos locais estiverem com suas portas fechadas, devido à concorrência predatória, o JBS vai deitar e rolar, praticando os preços que bem entender”, acrescenta Marquinhos.

Para o vereador, além do desemprego, a investida do JBS também causa prejuízos para município. “A arrecadação dos impostos será para Maringá. As vans são emplacadas fora, vêm abastecidas de fora, com gente empregada lá fora. O município de Apucarana não vai ganhar nada com isso”, protesta Marquinhos.

continua após publicidade

Ele acompanhou a reunião dos açougueiros e mercadistas na reunião que a Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Apucarana (ACIA) realizou na noite desta quarta-feira (07) para tratar sobre o assunto. “Alguma coisa precisa ser feita para deter esse processo ou o município será muito prejudicado”, assinalou. Ainda de acordo com Marquinhos, o episódio está unindo os açougueiros do município. “Eles vão formar uma associação para defender de forma melhor organizada os seus interesses. O JBS é responsável por 12% nas vendas de carnes no mercado interno e quer expandir ainda mais sua participação, mas varrendo do mapa os comerciantes do interior de todo o Brasil”, dispara o vereador.

Cada van tem capacidade para vender entre 250 a 300 quilos de carne por dia. O grupo já atua em vários municípios e anunciou que a intenção é estender o sistema para todo o Brasil, com uma frota de 10 mil vans refrigeradas circulando.