Política

Mais magra, presidente diz que 'fecha a boca e faz ginástica'

Da Redação ·
Foto: Elza Fiúza/Agência Brasil
Foto: Elza Fiúza/Agência Brasil

BRASÍLIA, DF - Visivelmente mais magra, a presidente Dilma Rousseff brincou nesta sexta-feira (20) com o resultado da dieta que está fazendo desde o fim do ano passado. 

continua após publicidade

Na primeira entrevista que deu em seu segundo governo, a presidente foi elogiada pelos jornalistas e disse: "Fiz duas coisas: a gente fecha um pouquinho a boca e faz um pouco também de ginástica", disse. 

De terno preto, ela recebeu as credenciais de cinco embaixadores que começaram a atuar no Brasil recentemente, em cerimônia no Palácio do Planalto. 

continua após publicidade

Dilma mudou sua alimentação no fim do ano passado com o intuito de perder 13 quilos até o dia de sua posse no segundo mandato. No entanto, até o início de janeiro, a presidente havia emagrecido apenas 6 quilos, de acordo com a Folha de S.Paulo. 

A dieta foi indicada pela presidente para as ministras Eleonora Menicucci (Políticas para as Mulheres) e Kátia Abreu (Agricultura) e para a ex-ministra do Planejamento Míriam Belchior, mas já tem outros adeptos na Esplanada, como o ministro da Justiça, Eduardo Cardozo. 

A dieta, que custa cerca de R$ 1.900 por mês, propõe o corte de alimentos como farinha branca, doces e carboidratos e restringe a quantidade e o tipo de comida que cada pessoa pode comer, dependendo da fase em que está no regime. A dieta receitada a Dilma é da clínica Ravenna, do endocrinologista argentino Máximo Ravenna --moda em Brasília entre os que desejam perder peso com segurança. 

continua após publicidade


QUEBRA DE SILÊNCIO 

Amplamente criticada pelo PT e até mesmo por seus assessores mais próximos por ter ficado em silêncio durante tanto tempo, Dilma deu nesta sexta a primeira entrevista de seu segundo governo. A aparição faz parte da estratégia defendida por ministros de seu núcleo político de que ela deve falar mais diretamente à sociedade para amenizar as críticas ao seu governo. 

A presidente completou 60 dias sem falar com a imprensa, o maior período de silêncio desde que assumiu a Presidência, em 2011. Até então, ela havia passado 38 dias sem falar com jornalistas em janeiro de 2012. 

continua após publicidade

Neste período, ela apenas discursou publicamente na sua cerimônia de posse, em 1º de janeiro; na reunião ministerial que promoveu em 27 de janeiro, durante a cúpula da Celac (Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos); realizada em San José, na Costa Rica; em 29 de janeiro; e na cerimônia de inauguração da primeira Casa da Mulher Brasileira, em Campo Grande (MS), em 3 de fevereiro. 

Na reunião ministerial, Dilma fez um apelo aos ministros para que "travem a batalha da comunicação" para defender os projetos do governo. 

"Nós devemos enfrentar o desconhecimento, a desinformação sempre e permanentemente. Vou repetir: sempre e permanentemente. Nós não podemos permitir que a falsa versão se crie e se alastre. Reajam aos boatos, travem a batalha da comunicação, levem a posição do governo à opinião pública, a posição do ministério, a posição do governo à opinião pública. Sejam claros, sejam precisos, se façam entender. Nós não podemos deixar dúvidas", afirmou à época.