Política

Governo/PR pode recuar e ceder no corte de benefícios a servidores

Da Redação ·
Professores  durante protesto em Apucarana contra medidas do governo do Estado (Foto: Dirceu Lopes/ TNonline
Professores durante protesto em Apucarana contra medidas do governo do Estado (Foto: Dirceu Lopes/ TNonline

Depois da polêmica e da greve dos professores, motivada pelo pacote de medidas que visam equilibrar as finanças do Paraná, o governo do estado pode recuar.

continua após publicidade

Secretários e deputados se reúnem para rever cada uma das mudanças propostas ainda nesta segunda-feira (9), e, de acordo com a Secretaria da Fazenda, alguns dos itens podem ser retirados. 

Na última quarta-feira (4), o chamado "pacotaço" foi apresentado pelo Executivo aos deputados estaduais em regime de urgência. As medidas envolvem mudanças nos benefícios do funcionalismo público e são a segunda etapa de um ajuste fiscal que teve início em 2014, com o aumento da alíquota de impostos.

continua após publicidade

O objetivo é ampliar receitas e diminuir despesas da máquina pública, afirma o governo estadual. Durante toda a sessão desta segunda-feira (9), na Assembleia Legislativa (Alep), professores que tiveram acesso às galerias da Casa protestaram. Por diversas vezes, os deputados que compõem a base de apoio ao governador Beto Richa (PSDB) foram vaiados durante o discurso.

O líder do governo na Alep, deputado Luiz Claudio Romanelli, afirmou que o Executivo analisa diversos aspectos do pacote de medidas, porém, não adiantou quais. "Está tudo em aberto", disse. A única confirmação de mudança é quanto ao item que determinava o fim do quinquênio para o funcionalismo.

A medida congelaria os valores atuais e não concederia mais adicionais por tempo de serviço. Ainda neste item, contavam mudanças para progressões e promoções nas carreiras da educação e no plano de desenvolvimento das carreiras dos docentes.

Confira matéria completa AQUI